Confesso que fiquei indignado com o “marketing da tatuagem anal” da Anitta. Tinha prometido não escrever mais a respeito dessa moça, pois já disse tudo o que penso a respeito dela em várias entrevistas e comentários nos mais diversos meios de comunicação, mas não deu para segurar…

Para quem não sabe, ela lançou semana passada mais uma de suas patéticas tentativas em emplacar algum sucesso, dessa vez batizada como “Tô Preocupada”, ao lado de uma tal de MC Rebecca. No clip, ela aparece toda tatuada – tatuagem de mentira, claro – e a capa do single mostra o único atributo que ambas tem a oferecer. Porque música que é bom, nada…

“Coincidentemente”, o anúncio dessa porcaria aconteceu menos de 24 horas depois de um vídeo em que Anitta é tatuada no cu ‘vazou’ (ahãn…) de sua conta no tal de OnlyFans, restrita a assinantes que pagam uma mensalidade de US$ 4,99. No vídeo, a moça grita de dor enquanto é tatuada no “fiofó” na sala da casa dela, com um de seus vassalos fazendo uma coreografia igualmente repugnante. É o ponto mais baixo na forma de fazer ‘marquetin’ de um troço pseudomusical que ela lança para o seu público de débeis mentais. Desculpem pelos termos chulos que usei acima, mas não há outra maneira de expressar tal aberração. O que vem depois disso?

Anitta é incansável na arte de retratar com exatidão a péssima realidade cultural que vive o Brasil. A mesma incensada por charlatões metidos a ‘filósofos de boteco’ que tentam justificar qualquer merda como “característica da atual geração”, sempre por intermédio de frases de autoajuda típicas de parachoque de caminhão para embasar um pseudopensamento que, de filosófico, não tem absolutamente nada. Gente que defende uma ideologia burra e que usa justificativas calhordas com a pose de quem está defendendo uma doutrina social.

A música dela continua a representar o que de pior um país (sim, com minúscula mesmo) pode oferecer às futuras gerações. Sem qualquer mérito artístico que possa, mesmo que minimamente, enriquecer culturalmente a quem quer que seja. Nada!

Lamento por você e seus filhos, que terão que conviver em uma sociedade que é a cara da ‘música’ e da ‘istratéjias’ da Anitta: culturalmente indigente e totalmente falida como civilização. Meus pêsames!