Se ainda estivesse viva, ela certamente ficaria irritadíssima com o atual panorama da música “popularesca” brasileira, reclamando das “Anittas e Pablos Vittar da vida” com palavrões do nível daqueles que Dercy Gonçalves soltava a torto e a direito. De nada adiantaria ainda ser reverenciada por seus colegas da velha geração do samba: ela continuaria a distribuir opiniões que deixariam toda essa “geração floco de neve” tremendo dos pés á cabeça.

Quase ninguém com menos de 30 anos de idade sabe que Aracy de Almeida foi, para muita gente graúda, a maior cantora de samba que o Brasil já viu desde o tempo em que Cabral esteve por aqui pela primeira vez distribuindo espelhinhos, pentes e antenas de TV para os índios que aqui moravam. Ao contrário de outras grandes cantoras de sua época, com vozes cristalinas e límpidas, Aracy fazia de seu timbre anasalado um diferencial fantástico, ainda mais porque ela era incapaz de desafinar. Tal combinação aparentemente disparatada logo a transformou em um mito da música brasileira. Não foi à toa que Noel Rosa a tinha como sua cantora favorita e escreveu um monte de músicas para ela cantar.

 

Ouça ainda a espetacular interpretação que ela colocou em “Tenha Pena de Mim”, antológico samba de autoria de Babaú e Ciro de Souza, que ela gravou em – pasmem! – 1937, um sucesso arrebatador:

 

Infelizmente, Aracy foi esquecida a partir do tempo em que o samba virou “coisa de velho”. Para sobreviver e continuar em evidência, Aracy virou jurada folclórica do Programa Sílvio Santos, distribuindo bordoadas e notas baixas com a facilidade com que a gente pede um pão com manteiga na padaria. Foi a maneira que encontrou para não ser esquecida, sempre com a esperança que a juventude da época resgatasse seu passado glorioso como cantora. Foi em vão…

 

Hoje em dia, o que mais tem por aí são umas mocinhas bonitinhas tentando reviver o grande passado do samba com arranjos pasteurizados e uma interpretação tão insípida que faz os ouvidos sangrarem em esguicho. Melhor que vocês ouçam os discos da Aracy, meninas, para aprender como se canta o samba de verdade, com genuína entrega…