Depois de um tempo de estafantes trabalhos e correrias para viabilizar uma sobrevivência fora dos hospitais, cá estou aqui de novo encontrando um tempo para escrever por aqui. Prometi a mim mesmo vou aumentar a frequência semanal de textos, pois há muita coisa a se falar e nem tudo cabe nos vídeos em meu Canal no YouTube.

Quero retomar essa sequência de textos com cinco indicações de bandas nacionais para alegrar a sua semana, não importa em que idioma estejam as letras das canções. Cinco discos que, se ouvidos em sua totalidade, vão tornar a sua vida um pouco mais suportável no meio da maluquice que vivemos nos dias atuais. Vamos nessa!

 

BLIND PIGS – lights out

BLIND PIGS – Lights Out

Fiquei surpreso em receber esse disco, pois julgava que a banda paulista de punk tinha acabado em 2016 e não tinha tido notícias de uma “volta às atividades”. Foi então que soube que se trata de um álbum que deveria ter sido lançado em exatamente no ano de encerramento das atividades, mas que só agora o público que acompanhou os caras por quase duas décadas vai poder apreciar – por streaming, CD ou vinil de 10 polegadas.

Totalmente cantado em inglês – ao contrário do que a banda vinha fazendo até então -, é um “apagar de luzes” bastante digno, com três canções autorais inéditas e versões de “God Damn Job” (The Replacements), “Real Enemy” (The Business), a faixa título (Angry Samoans), “New Generation” (Zero Boys) e “Misguided Memories” (The Freeze). Uma das inéditas, “Not Dead Yet”, dá a real dimensão do som que você vai encontrar no disco:

 

WISEMAN – mind blown

WISEMAN – Mind Blown

O trio paulistano faz um som bastante influenciado por aquela turma da gravadora independente que fez furou na época do grunge e que existe até hoje: a Sub Pop. Isso significa que o som dos caras é perfeito para quem gosta de saudáveis esquisitices como Fugazi e Seaweed, por exemplo. Dê uma sacada em uma das boas faixas desse disco:

 

ELECTRIC MOB - discharge

ELECTRIC MOB – Discharge

Nessa banda curitibana faz um som excelente e construiu uma identidade sonora que não deve nada às grandes bandas do exterior – não foi à toa que assinaram com a gravadora Frontiers, especializada em hard rock AOR, para lançar esse disco no mundo todo. Só que o som desse quarteto é bem mais pesado, reavivando nossas lembranças dos tempos do Badlands, a banda que o guitarrista Jake E. Lee montou com o baterista Eric Singer – sim, aquele mesmo do Kiss – depois que foi demitido pelo Ozzy Osbourne. Os caras fazem um sonzaço!

 

DISASTER BOOTS – Disaster Boots

Certa vez, ao final de uma de minhas palestras na cidade de Guarapuava (PR), fui abordado por dois garotos de maneira educada, que faziam questão de entregar o CD de sua banda. Ok, isso acontece o tempo todo – bem, pelo menos até antes da pandemia – e, como sempre, garanti que ouviria o mais breve possível. Ao chegar a São Paulo, fui ouvir o disco… BAM! Caí de costas com o espetacular stoner hard rock que os moleques faziam. Escrevi em minha então coluna no Yahoo a respeito de ótimas bandas nacionais e botei o autointitulado disco – procurei o link e não encontrei – e até mesmo incluí o grupo em uma lista dos melhores discos nacionais de 2010 a 2019 para o site Scream & Yell (veja aqui ). Não sei se a banda ainda existe – suas últimas postagens em redes sociais são de 2016 – e, se isso se confirmar, será mais um caso de banda nacional que tinha tudo (musicalmente) para fazer turnês pelo mundo todo. Ouça abaixo o disco na íntegra e comprove que não estou exagerando:

 

the outs – Enquanto o Futuro Não Vem

THE OUTS – Enquanto o Futuro Não Vem

O segundo álbum dessa boa banda foi lançado pela Deck, produzido pelo Rafael Ramos e passou em branco por quase todo mundo que tinha a obrigação de ser honesto e elogiar o repertório aqui contido. É pop de primeiríssima qualidade, muito influenciado pela chamada “cena indie” americana e misturando timbragens analógicas e digitais em canções muito legais. Tá duvidando? Ouça abaixo o ótimo disco na íntegra:

 

Saúde e boa semana para você e sua família!