Continuando a série que iniciei ontem com a intenção de oferecer alternativas sonoras para esses tempos pré-carnavalescos, trago aqui mais alguns discos que foram relegados injustamente ao ostracismo porque pouca gente faz ideia do precioso conteúdo musical de cada um. Faço isso para despertar em você o interesse em saber cada vez mais, não apenas em relação aos artistas que escolhi, mas também por outros estilos musicais e, por que não dizer, por diferentes gêneros e assuntos. Lembre-se: adquirir conhecimento é o único excesso que não faz mal à saúde.

No cardápio de hoje eu trago…

 

BLACKBERRY SMOKE –Little Piece of Dixie

É uma das melhores bandas da novíssima safra do southern rock americano. Soa como um cruzamento do Black Crowes com o Bruce Springsteen. É daquelas bandas que, ao vivo, são capazes de transformarem a plateia em uma matilha de coiotes uivadores, algo que você terá a oportunidade de conferir em maio próximo, quando o grupo virá ao Brasil para fazer alguns shows. Como todos os discos são ótimos, comece por este que é o primeiro, de 2009, no qual a habilidade dos caras em criar harmonias e melodias que não saem da cabeça de quem quer que os ouça é estonteante. Ouça abaixo o álbum na íntegra:

 

THE ROLAND HANNA TRIO – Child of Gemini

Lançado em 1971, um dos mais subestimados discos da história do jazz traz a música e o estilo desse extraordinário pianista americano, ao lado do baterista suíço Daniel Humair, discípulo dos lendários Shelly Mane e Elvin Jones, e do não menos sensacional baixista Dave Holland. Os dois últimos construíram um “tapete rítmico” repleto de detalhes que interagiam com as notas soberbas que exalavam do piano de Hanna, um nome tão injustamente esquecido que chega a dar raiva. Tem de tudo aqui, com destaques para um tema jazzístico influenciado pela música erudita, “Prelude/So You’ll Know My Name”, um belo exemplo de bebop de responsa em “A Statement of the Truth” e a estupenda “Arsenic and New Lace”. Sem contar a delicadeza empregada em “Blue Lilly”. É uma verdadeira pérola obscura do gênero que você tem que (re)descobrir!

 

 

 

 

FIVE HORSE JOHNSON – Fat Black Pussycat

O quarteto americano é uma usina de riffs poderosos e grooves musculosos, cortesia da fortíssima influência de ZZ Top, Led Zeppelin e Black Crowes que permeia seu som. Esse disco, lançado em 1999, é daquelas gemas escondidas que merecem uma audição mais que atenta, principalmente por causa do trabalho fortemente calcado nas sonoridades típicas do southern rock. Sonzaço que você pode ouvir abaixo na íntegra:

 

Bom apetite!