IGOR PRADO & JUST GROOVE e TERRIE ODABI

1 – Bolshoi Pub – Goiânia

Um dos melhores guitarristas da nova safra do blues nacional, Igor colheu os louros do sucesso internacional de seu excelente álbum Way Down South, lançado nos EUA pela gravadora Delta Groove e que recebeu muitos elogios da crítica especializada. Só que nesta apresentação a tônica será a mistura de blues, soul e funk (o verdadeiro!) com as sonoridades brasileiras ao lado de sua ótima banda de apoio, além de bem sacadas releituras de temas de BB King, Jorge Ben, Bezerra da Silva e até Justin Timberlake. Vá ao show e entenda o motivo de tanta badalação em cima do guitarrista! De quebra, assista também a um dos grandes nomes da novíssima safra americana do bues, já que a cantora que vem sendo considerada pelos mais afoitos como a “nova Etta James”, o que não é pouco…

 

MONOBLOCO

1 – Fundição Progresso – Rio de Janeiro

É um dos troços mais sem personalidade do momento. A mistura de Carnaval, escola de samba, mangue beat, rock, chorinho, pagode, música brega e mais um monte de porcarias é feita apenas para impressionar playboys e patricinhas metidas a “descoladas”. É uma “micareta para gente bronzeada com Tang de tangerina e com sorriso de plástico”. Apesar de bem tocado, o som o Monobloco é a extensão dessa onda “o novo samba da Lapa” que o Rio de Janeiro vem tentando levar a outros Estados, ou seja, um troço chato pra cacete, que serve apenas para dar uma aura de intelectualidade a algo que mais se assemelha a uma micareta com pose de grã-fina. Evidentemente, é o show ideal para playboys e pseudogaranhões pegarem umas “periguetes patricinhas”…

 

THIAGUINHO

1 – P12 Parador Internacional – Florianópolis
Embora seja um cara carismático em cima do palco, Thiaguinho desperdiça isto com um repertório de porcarias vexaminosas, que só entusiasma periguetes e candidatas a tal. Sem contar que, ao vivo, sua voz não é lá essas coisas, o que não ajuda em nada a tornar seu show um evento imperdível. Pelo contrário: é preferível ficar em casa assistindo ao videotape de Sampaio Correa x Remo, disputado em uma terça-feira chuvosa.

 

RASHID

1 – Centro Cultural São Paulo – São Paulo

Ele é um dos melhores nomes da nova geração do hip hop nacional. Lançando o repertório de seu mais recente álbum, Crise, e mais as canções que fizeram grande sucesso na comunidade do gênero incluídas em sua mixtape Confundindo Sábios, ele vai na contramão de seus pares nesta apresentação. Nada de cantar em cima de playbacks: Rashid vai levar uma banda inteira para o palco. Para quem deseja saber como anda os meandros do rap nacional, é daqueles shows a não se perder.

 

WILLIE WALKER

2 – Bolshoi Pub – Goiânia

O cantor americano é mais um daqueles veteranos nomes criminosamente ignorados no show business internacional. Dono de uma voz estupenda, ele passeia pelo soul e pelo blues com uma elegância ímpar, principalmente ao estar acompanhado pela banda de apoio liderada pelo estupendo guitarrista Igor Prado. Não perca esse show de forma alguma! Na abertura, outra interessante atração: o grupo brasileiro Blues Beatles, que faz exatamente o som explícito em seu nome.

 

TUATHA DE DANANN

4 – Manifesto Bar – São Paulo

Com um repertório montado especialmente para uma abordagem acústica, o show é um bom evento para você tomar contato com uma banda de metal que sempre coloca elementos da folk music de origem celta em suas composições, com resultados irregulares. Caso seus integrantes estejam em um bom dia, vão rolar poucas desafinações nos vocais. Torça para que isso aconteça…

 

BOCA LIVRE

4 e 5 – SESC Pompéia – São Paulo

O celebrado quarteto vocal volta às atividades depois de um longo hiato e com um novo disco, Amizade, lançado no final do ano passado. Independentemente do repertório apresentado, você pode ter a certeza de que o papo musical aqui é de alto nível, com belas vocalizações, instrumental enxuto e repleto de canções famosas. Se você sente saudade do espírito musical da música brasileira dos anos 70, é uma boa pedida!

 

JORGE BEN JOR

5 – P12 Parador Internacional – Florianópolis
Olha, a verdade precisa ser dita: se você viu um show do Benjor, viu todos. A diferença aqui é que o grão mestre do balanço está com uma banda mais enxuta e isto certamente vai trazer uma sonoridade um pouquinho diferente ao caminhão de hits que ele costuma apresentar em suas animadas apresentações. Eu, se fosse você, iria…

 

HAMILTON DE HOLANDA

7 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Um dos mais extraordinários instrumentistas da nova geração, ele deu ao bandolim uma linguagem absolutamente nova, quase revolucionária, a ponto de estabelecer uma até então inesperada ponte entre o chorinho e o jazz. Aqui ele mostra um show batizado como “Baile do Almeidinha”, no qual mostra suas habilidades interpretando forrós, sambas, frevo, choros, xotes e outros ritmos brasileiros. É um show indispensável para quem quer fugir do comodismo musical que impera nos dias de hoje.

 

AMILTON GODOY TRIO

7 – Itaú Cultural – São Paulo
O pianista construiu uma carreira irrepreensível junto com o lendário Zimbo Trio. Agora como ex-integrante, ele apresenta seu novo trio instrumental, juntamente com o baterista Edu Ribeiro e contrabaixista Thiago Alves. Não tenha dúvidas: é música de primeira categoria!