CAETANO VELOSO

14 – Credicard Hall – São Paulo

16 – Km de Vantagens Hall – Belo Horizonte

19 – Auditório Araújo Vianna – Porto Alegre

Em um show chamado de “Ofertório”, ele se apresenta ao lado de seus filhos Moreno, Zeca e Tom. Ainda não tive a oportunidade de assistir a essa “reunião em família”, mas uma apresentação de Caetano Veloso jamais deve ser ignorada. Para o bem e para o mal…

 

ARI BORGER TRIO

14 – JazzNosFundos – São Paulo
Toda vez que alguém me diz que não há mais jovens talentos na música brasileira, respondo que rola justamente o contrário e cito o nome deste extraordinário tecladista, especialista em órgão Hammond B3 no blues e no jazz, que já tem uma discografia excelente. Lançando seu mais recente trabalho — o ótimo Rock ‘n’ Jazz -, Borger vai impressionar pelo grande som que faz com seu trio e honrar as influências de Jimmy Smith e Ramsey Lewis. Showzaço!

 

GILBERTO GIL

14 – Auditório Araújo Vianna – Porto Alegre

Quando resolve fazer o som que realmente gosta, tocando músicas bacanas independentemente do formato que apresente, Gil tem a manha de ainda fazer um show bastante interessante. No caso aqui, ele vai mostrar algumas das canções de seu bom e mais recente disco, OK OK OK, lançado há alguns meses, e obviamente não faltarão ótimas músicas do passado. Torça apenas para que ele esteja com a voz em dia, sem estar propenso a afinações indesejadas…

 

SOM NOSSO DE CADA DIA

14 – Fofinho Rock Bar – São Paulo

Um dos grandes nomes da cena roqueira dos anos 70, o grupo agora conta apenas com um integrante de sua formação original – o baixista/vocalista Pedro Baldanza -, mas conta com um time de substitutos muito bom: o guitarrista Marcello Schevano (Patrulha do Espaço, Casa das Máquinas, Golpe de Estado e Carro Bomba), o tecladista Fernando Cardoso (Violeta de Outono) e o baterista Edson Ghilardi. Isso, aliado ao fato de que o repertório antigo e sensacional e estará presente nesse show ao lado de uma novíssima composição, garante uma noitada interessante para quem for realmente um “aventureiro do rock”.

 

CORDEL DO FOGO ENCANTADO

14 – Cine Joia – São Paulo

Tive a oportunidade de assistir a dois shows desse grupo e posso afirmar com propriedade: é uma das experiências mais aterrorizantes que já presenciei. Tudo é tão chato e pretensioso que vi algumas pessoas da plateia dormindo não apenas em pé, mas plantando bananeiras em cima das poltronas. É daqueles shows que faz o Teatro Mágico parecer o Behemoth perto dessa turma. Deus me livre de assistir a esse troço de novo!

 

LUIZ AYRÃO

14 – SESC Belenzinho – São Paulo

O veteraníssimo sambista continua na ativa e cantando bem os seus inúmeros sucessos, como “Porta Aberta” e “Mulher Brasileira”, ou seja, é um show indicado para saudosistas e para quem se interessa em conhecer algumas canções clássicas do gênero, já que ele vai cantar também temas de Ataulpho Alves, Noel Rosa e Dorival Caymmi. Boa pedida!

 

SÁ & GUARABYRA

14 – SESC Pompéia – São Paulo

Em mais de 40 anos de carreira, esta dupla foi fundamental para a sedimentação de um estilo que passou a ser conhecido como “rock rural”, uma mistura country, sertanejo “de raiz”, baião, xote e xaxados. Construíram um repertório repleto de ótimas canções, muitas delas verdadeiros exercícios de sofisticação harmônicas nordestinas e com letras com achados poéticos de primeira grandeza. Não perca!

 

SEPULTURA

14 – SESC Pompéia – São Paulo

Essa é mais uma ótima oportunidade para você assistir a uma banda que, atualmente, é mais cultuada na Europa e Estados Unidos do que no Brasil – é, a burrice por aqui não é brincadeira. Além de apresentarem um repertório matador – incluindo as canções de seu mais recente e espetacular álbum, Machine Messiah -, o grupo ainda tem no baterista Eloy Casagrande uma atração à parte em termos de peso e técnica. Vai ser um showzaço!

 

FÁBIO JR.

14 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Não adianta anunciar a estreia de um “novo show”. Da mesma forma como acontece com Roberto Carlos, Fábio Jr. também vem há muito tempo apresentando um show bastante burocrático. Mas ao contrário do “Rei”, o pai do tal de Fiuk é um roqueiro enrustido e sacana, que sabe que um pouco de espontaneidade é caminho certo para cativar ainda mais as suas fãs, que nunca cessam de gritar em suas apresentações. De uma coisa você pode ter certeza: a banda de apoio do cantor é sempre um time de primeira grandeza em termos instrumentais. Já as músicas…

 

NU BEGINNINGS

14 – Bourbon Street – São Paulo

Comandado por três vocalistas excelentes – Erica Falls, Jabial Reed e Melaney Batiste -, o grupo é daquelas atrações internacionais que estão sempre por aqui a alegrar seus shows com competência e um repertório que reúne clássicos do legítimo r&b, soul e da black music americana em geral. É daquelas apresentações despretensiosas que alegram o nosso espírito.

 

IVAN LINS

14 – Teatro do Bourbon Country – Porto Alegre

Nesta apresentação, ele deve misturar algumas canções de seu mais recente trabalho, América Brasil – que traz canções compostas em parceria com Vitor Martins que foram gravadas por outros artistas, com resultados igualmente chatos e os seus famosos e torturantes hits. Pode apostar: será um show muito chato.

 

ANAVITÓRIA

14 Teatro Positivo – Curitiba

Meu Deus, que sono…. que sono… que… zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz….

 

NÁ OZZETTI & LUIZ TATIT

14 e 15 – SESC Ipiranga – São Paulo

Muito distante do estereótipo “cantora gostosona de voz grossa” que impera nos dias de hoje, ela se tornou uma das mais subestimadas artistas das últimas décadas justamente por não se render aos fáceis apelos do comercialismo. Nesta apresentação ela e o violonista Tatit vão mostrar várias canções oriundas da época da “vanguarda paulistana” dos anos 80. Boa pedida para quem quer ouvir MPB de alto nível.

 

LENINE

14 a 16 – SESC Belenzinho – São Paulo

Dentro do atual cenário da MPB, poucos são os artistas que apresentam um trabalho tão consistente, coerente e de alto valor artístico quanto ele. Sempre surpreendendo a plateia com repertórios diferentes e com uma banda de apoio muitas vezes pesada para o tipo de som que faz, Lenine transforma cada uma de suas canções em manifestos poéticos muitas vezes sacolejantes – algo ainda mais raro de se ver e ouvir. Seu novo show, Em Trânsito, vai revelar muitas surpresas e não pode ser ignorado, justamente pelas qualidades de seu autor acima citadas. Vá sem medo!

 

“BACKSTAGE FEST” com KORZUS, TORTURE SQUAD, NERVOSA e CARRO BOMBA

15 – Carioca Club – São Paulo

Como é? Um evento com quatro das melhores bandas do metal nacional de todos os tempos? Não perca isso de modo algum!!!

 

MARIA BETHANIA & ZECA PAGODINHO

15 – Km de Vantagens Hall – Rio de Janeiro

Confesso que nunca fui fã da temperamental cantora baiana, mas ela agora surge com um novo show ao lado de uma figura que não poderia ser mais antagônica: Zeca Pagodinho! Os dois vão interpretar sucessos de seus respectivos repertórios e até mesmo algumas novas canções. É um encontro meio maluco, mas que pode trazer um pouco mais de leveza à cantora em cima do palco. Se ambos tiverem uma banda de apoio azeitada, pode ser uma experiência interessante…

 

SIMONE & IVAN LINS

15 – Credicard Hall – São Paulo

Meu Deus do céu! Esse show é tão chato, tão desavergonhadamente açucarado, tão insosso, tão fora de propósito dentro do atual panorama da música brasileira, tão… tão… Ah, deixa pra lá! Vai quem quer ser testemunha dessa ‘roubada’ nababesca. Depois não digam que não avisei…

 

QUINO

15 – SESC Belenzinho – São Paulo

Se o Big Mountain era uma banda de reggae que só fazia sentido para plateias formadas por playboys metidos a riquinhos e “patricinhas” que tinham como objetivo na vida casar com algum surfista milionário, imagine um show de seu vocalista ao lado de uma banda brasileira, o Afrodizia? Para piorar, o mané ainda manda divulgar que está “comemorando 25 anos” de uma música que nem é da autoria dele e sim de Peter Frampton, “Baby I Love Your Way”, que foi simplesmente assassinada por sua ex-banda, o que só prova que você deve fazer outra coisa nessa noite…

 

GARY BROWN

15 – Bourbon Street – São Paulo

Embora seja influenciado por John Coltrane e Sonny Stitt, este saxofonista americano tem uma musicalidade tão eclética que o faz abordar o jazz, blues, funk, soul e o rhythm & blues com uma alegria tão contagiante que é simplesmente impossível não chacoalhar os ossos em suas apresentações. Vá por mim: é showzão!

 

BOOGARINS

15 – Opinião – Porto Alegre

Essa é mais uma boa oportunidade para você conferir que a “babação de ovo” em cima do quarteto é absolutamente injustificada, seja pelas canções chatíssimas, pelos vocais desafinados, pela execução instrumental capenga e pela fluência sonora que nunca se consuma. Típico caso de “hype hipster” que já deu no saco, né?

 

TOM ZÉ

15 e 16 – SESC Pompéia – São Paulo

Se existe um artista cujas apresentações são totalmente imprevisíveis, este cara é Tom Zé. Aqui, ele vai apresentar na íntegra o álbum Grande Liquidação, lançado originalmente em 1968, não sabe de que maneira e se respeitando os arranjos originais. Resumindo: não perca isto de forma alguma!

 

KARNAK

15 e 16 – SESC Bom Retiro – São Paulo

Um dos grupos mais chatos e pretensiosos da música brasileira nas últimas décadas resolveu voltar à ativa atendendo a pedidos inexistentes. Nessas apresentações eles irão tocar algumas novas canções e antigas bobagens como “Alma Não Tem Cor”, “O Mundo”, “Juvenar” e “Comendo Uva na Chuva”. Se quiser saber como uma mistura ritmos, estilos musicais e teatralidade pode soar enfadonha e acionar em você o “modo dorminhoco”, basta ter a disposição de trocar um bom sexo com o seu amor para presenciar esse troço. Aí o problema é todo seu…

 

MILTON NASCIMENTO

15 e 16 – SESC Pinheiros – São Paulo

O célebre cantor/compositor volta aos palcos com um novo show e respaldado por uma banda em que brilham as presenças do baterista Lincoln Cheib, do baixista Alexandre Ito e do pianista Kiko Continentino. Tomara que os músicos ofereçam ao repertório uma abordagem mais dinâmica, com um mínimo de ousadia, e que o velho “Bituca” tenha deixado seus tempos de performances sorumbáticas para trás.

 

FREJAT

15 e 16 – Theatro NET – São Paulo

A opção de assistir a um show do ex-guitarrista/vocalista do Barão Vermelho sempre foi interessante, pois ele é um compositor acima da média, bom guitarrista e cantor competente. O problema é que esse show será no esquema “voz & violão”, o que certamente vai dar uma esfriada nos ânimos roqueiros da plateia. Se resolver dar uma espiada, estará por sua conta e risco…

 

ANDRU DONALDS

16 – Teatro do Bourbon Country – Porto Alegre

O cantor jamaicano nunca fez feio nos poucos álbuns que lançou em sua carreira desde 1994. Seu som mezzo pop, mezzo reggae sempre teve como emblema boas canções, bem produzidas e arranjadas, perfeitas para a sua voz elegante. Por isso, se você resolver arriscar ir aos shows, a probabilidade de se decepcionar será bem pequena.

 

“METAL SOLIDÁRIO 2018”

16 – Manifesto Bar – São Paulo

Esse será evento mais beneficente para ajudar crianças carentes com a arrecadação brinquedos para crianças carentes, em uma nobre tentativa para levar um pouco de alegria a elas no Natal. O ingresso é um brinquedo novo ou em bom estado e, como recompensa, você receber de volta shows do grupo Ancesttral e também uma grande jam session com grandes músicos dos grupos Korzus, Warrel Dane’s Shadow Work, Insane Driver, Hatematter, Tier, About2Crash, Hellarise e Masmorra. Até mesmo o tio aqui estará presente e vai tocar bateria uma ótima canção da carreira solo do… Paul Stanley! Vá, assista, divirta-se e faça o bem a quem precisa.

 

RAÇA NEGRA

16 – Teatro Castro Alves – Salvador

É uma pena ver que o grupo, outrora um digno representante da então “nova geração do samba”, não só acabou se transformando em um dos artífices desse pagode “mela-cueca”, chegando aos dias de hoje soando exatamente como seus imitadores. E não adianta colocar instrumentos diferentes e outras papagaiadas, porque as canções que o Raça Negra faz hoje são rasas e sem um pingo de originalidade. Ainda mais agora que vão fazer shows baseados em mais um pavoroso DVD. Passe reto.

 

MAURÍCIO EINHORN

17 – SESC Consolação – São Paulo

Não tem nem o que pensar: assistir ao show do maior gaitista brasileiro de todos os tempos e ainda por cima de graça! Aproveite e leve a família inteira para tomar contato com música instrumental brasileira de primeira grandeza!

 

PEDRO LUIS

17 – Theatro NET – Rio de Janeiro

A extrema valorização do trabalho desse moço é um mistério para mim. Tanto com a sua associação com o grupo A Parede quanto com o coletivo carnavalesco Monobloco, Pedro nunca demonstrou qualquer coisa que valesse realmente a pena acompanhar em termos musicais e artísticos. E não é diferente em sua carreira solo. Por isso, nada vai justificar uma saída de casa para vê-lo e ouvi-lo assassinando na íntegra o cultuado álbum de estreia de Luiz Melodia, Pérola Negra, que é exatamente o que ele ameaça fazer nesse show. Credo!

 

NUNO MINDELIS

18 – Bourbon Street – São Paulo

Um dos maiores representantes do blues da América do Sul é angolano de nascimento e brasileiro de coração, toca muito, é um compositor de mão cheia e, sabe-se lá por qual motivo, desenvolve uma carreira — internacional, inclusive – muito aquém de seu talento. Se você é daqueles que despreza a linguagem nacional para gêneros estrangeiros, sugiro comparecer a este show e dar o braço a torcer para o som deste excelente guitarrista. Ótima pedida!

 

SANDY

18 – Credicard Hall – São Paulo

Tentando buscar uma legitimidade em sua carreira solo, Sandy cercou-se de uma boa banda de apoio na hora de transpor as canções de seus discos para o palco.  Louve-se seu esforço em se afastar da imagem de menina bobinha do passado, mas ela ainda precisa comer muito feijão antes de se tornar uma referência musical digna de nota. É isto o que você verá e ouvirá nesse novo show, que traz um apanhado dos álbuns que ela lançou até agora e algumas canções inéditas. Tá a fim de ir? Aí é por sua conta e risco…

 

THE CENTRAL SCRUTINIZER BAND

19 – Bourbon Street – São Paulo

Formada há vários anos por integrantes dos grupos Funk Como Le Gusta e Karnak, esta banda vem se notabilizando por apresentar nos palcos – de maneira espontânea e meticulosamente fidedigna – o repertório do mitológico e saudoso Frank Zappa. O repertório das apresentações é sempre uma surpresa, assim como a duração do show, duas características que também faziam parte da estratégia musical do saudoso mestre bigodudo. Para quem é fã, os shows desta banda são não menos que delirantes. Se este é o seu caso, pode ir sem susto…

 

OS INCRÍVEIS

19 – SESC Pompéia – São Paulo

Comandado pelo lendário baterista Netinho, a banda que foi um dos ícones da Jovem Guarda nos anos 60 comemora mais de meio século de existência com show em que mostra performances corretas e um monte de hits, como “Era um Garoto que, Como Eu, Amava os Beatles e os Rolling Stones”, a ufanista “Eu Te Amo, Meu Brasil” e a instrumental “O Milionário”. Será um espetáculo bem divertido.

 

ALCEU VALENÇA

19 – SESC Bom Retiro – São Paulo

Não perca esses shows de forma alguma, pois o grande cantor e compositor pernambucano vai mostrar ao lado de uma banda bastante eficiente várias de suas antigas e sensacionais canções de seu auge artístico, quando lançou álbuns magistrais como Molhado de Suor (1974), Espelho Cristalino (1975) e o lendário Vivo! (1976). Com 70 anos de idade e ainda contando com um carisma contagiante, ele comanda um espetáculo que, pode apostar, será imperdível!

 

SILVA

20 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Depois de lançar um quarto álbum interessante – Júpiter, em 2015 – e tentar dar um golpe de popularidade midiático ao revisitar o repertório de Marisa Monte com uma abordagem bem diferente das canções originais no disco seguinte, o fraquíssimo Silva canta Marisa (2016), ele reaparece insistindo novamente no erro de tentar aumentar a amplitude de seu público a qualquer preço com o álbum Brasileiro, lançado em maio passado. Nem que tenha que cantar de modo cada vez mais ‘adocicado’ e fazer duetos com Anitta – que, inclusive, vai fazer uma participação nesse show – ou quem mais for famosa nos dias atuais. Que decepção…