MARCOS & BELUTTI

24 – Credicard Hall – São Paulo

O que posso escrever a respeito de mais uma das 2.764 duplas que cantam músicas horríveis a respeito do velho papinho “vou sair na balada e me dar bem”, “você jurou que ia me amar para sempre” e outras bobagens que só emocionam quem tem guardanapo mofado no lugar do cérebro. Por que o Brasil precisa de mais uma dupla “sertaneja” que só chega perto de um cavalo quando vai levar os filhos para andar em carrossel de parquinho de diversões? Fique em casa que você ganha mais…

 

BLOCO DA PRETA GIL

24 – Audio – São Paulo

HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA HAHAHAHAHAHA!!!

 

NATIRUTS

24 – Espaço das Américas – São Paulo

É imperdoável que não tenhamos bandas de reggae decentes em um país tropical como o nosso. A melhorzinha delas é justamente este grupo, que tem lá suas qualidades na parte instrumental, mas que peca justamente no discurso, já que as letras são mais fracas que óleo de máquina de costura. Se você for chegado num “fumacê” e acha que reggae é Bob Marley e mais ninguém, pode até se divertir neste show. Se tiver um pouco mais de tutano, vai segurar a sua grana e esperar para gastá-la quando uma boa atração internacional aportar por aqui.

 

BNEGÃO

24 – SESC 24 de Maio – São Paulo

Dizendo-se extremamente impactado pela música de Dorival Caymmi desde a adolescência, ele resolveu sair de sua “zona de conforto” e montou um show só com canções do lendário cantor/compositor baiano, acompanhado apenas pelo violonista Bernardo Bosisio. Não assisti ao show, mas a coragem dele em embarcar nessa jornada musical que já derrubou muita gente é extremamente louvável. Vale uma arriscada…

 

BENITO DI PAULA

24 Teatro Positivo – Curitiba

Um dos mais criminosamente injustiçados artistas brasileiros, o pianista, cantor e compositor foi relegado a um ostracismo justamente pelo emburrecimento crescente do público que passou a pensar que samba e “pagode pega-periguete” são a mesma coisa. Dono de um excelente repertório, são justamente suas belas canções o atrativo maior para você ir a este show. Se você não se divertir em “Charlie Brown”, “Se não for Amor” e “Mulher Brasileira”, e não sentir vontade de chorar com a lindíssima “Retalhos de Cetim”, pode assinar o seu atestado de idiota…

 

MILTON NASCIMENTO

24 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

O célebre cantor/compositor volta aos palcos com um novo show, no qual celebra as mais de quatro décadas de existência de dois álbuns emblemáticos na história da música brasileira: os dois volumes do Clube da Esquina, lançados respectivamente em 1972 e 1978.  Tomara que os músicos ofereçam ao repertório uma abordagem mais dinâmica, com um mínimo de ousadia, e que o velho “Bituca” tenha deixado seus tempos de performances sorumbáticas para trás…

 

TORTURE SQUAD

24 – Jokers – Curitiba

Mesmo perdendo uma figura emblemática – o carismático vocalista Vitor Rodrigues -, a banda continuou como um trio por um tempo a estraçalhar nos ouvidos com um heavy metal da melhor qualidade, até que encontrou a vocalista Mayara Puertas. Como sempre, tudo é tocado de modo bastante técnico, mas sem “masturbações solísticas”, embora ninguém consiga deixar de ficar impressionado com a ‘monstruosidade’ do estupendo baterista Amílcar Christófaro. Vale a pena conferir… Ah, na abertura vão rolar os shows dos grupos Devil Sin e Exylle.

 

CRADLE OF FILTH

24 – Circo Voador – Rio de Janeiro

25 – Carioca Club – São Paulo

Com sua pose vampiresca/gótica tão genuína quanto uma festa de Helloween dentro de uma sinagoga, a banda inglesa liderada pelo vocalista Dani Filth faz aquele black metal sinfônico que só impressiona a quem tem a idade mental de uma garotinha de doze anos. Embora os instrumentistas tenham lá seu gabarito, tudo escorre pelo ralo da falta de credibilidade da proposta sonora. Fique em casa ouvindo os discos do Immortal! Ah, no show do Rio vai rolar a apresentação do Krisiun como “banda de abertura”, o que é uma tremenda injustiça…

 

EDU FALASCHI

24 – Cine Theatro Brasil – Belo Horizonte

26 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Já faz certo tempo que o ex-vocalista do Angra vem se apresentando por aí ao lado de outro ex-integrante do grupo, o baterista Aquilles Priester. O repertório, claro, não poderia ser outro: praticamente todas as canções do álbum que gravaram juntos naqueles tempos, Temple of Shadows. É daqueles shows indicados apenas para fãs saudosistas de um tempo que não volta mais…

 

RAIMUNDOS

25 – Audio – São Paulo

Contra quase todos os prognósticos, o grupo segue firme e fazendo bons shows, em que o clima de animação adolescente e porra-louca continua intacto. É claro que é um show para quem tem idade mental inferior a 15 anos, mas isto está longe de ser defeito para quem faz este tipo de som. Estão comemorando 25 anos de existência e tem agora o retorno de Fred à bateria. Diversão garantida!

 

O TERNO

25 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Juro por Deus: poucas vezes vi uma banda tão ruim na vida. Se os caras fossem apenas desengonçados em cima do palco, ainda vá lá. Só que presenciar um show desses caras é ser testemunha de um tsunami de vocais desafinados, músicas pavorosas, letras horríveis e uma presença de palco que chega próximo do retardamento mental. Fuja!

 

ALEXANDRE PIRES

25 – Credicard Hall – São Paulo

Só tem uma coisa que é tão ruim quanto esse “pagode xexelento” que anda por aí: é alguém que faz um “pagode xexelento” ainda mais romântico e travestido de uma “classe” tão verdadeira quanto uma nota de R$ 30. Assim é um show do ex-vocalista do Só Pra Contrariar, um negócio tão açucarado que, para evitar acidentes, deveria ter um detector de diabéticos na porta do show. Só que agora ele percebeu que isso não cola mais e resolveu piorar ainda mais as coisas com um tal de “Bailão do Nego Veio”, no qual ele resgata canções dos anos 90, tipo “O Canto da Cidade da Daniela Mercury, “Liberar Geral” do Terra Samba, “Cheia de Mania” do Raça negra” e “Domingo” de sua ex-banda, o Só Pra Contrariar! E ainda promete fazer três horas de show!!! Se isso não for o Apocalipse, não sei mais o que será…

 

SLASH

25 – Espaço das Américas – São Paulo

há muito tempo que o guitarrista vem mostrando em sua carreira solo que era mesmo a força motora que botava o Guns n’ Roses para fazer boas canções. Seus discos são quase todos muito bons – a exceção é o mais recente, o irregular Living With the Dream, lançado no ano passado –, os shows são animadíssimos, com uma ótima banda de apoio, na qual brilha o vocalista Miles Kennedy, que deveria abandonar o seu outro grupo, o chatíssimo Alter Bridge, e se concentrar em sua parceria com o ‘patrão’. Não perca esse show de forma alguma!

 

ELZA SOARES

25 – Opinião – Porto Alegre

Assistir a uma apresentação desta outrora grande cantora é testemunhar o quão bizarro pode ser o show business brasileiro. Até concordo que a voz dela é inconfundível. Só que a esta altura do campeonato, isto não significa algo agradável. Pelo contrário. Elza continua exagerando absurdamente em suas cantorias, desafinando horrores e, para piorar, ela vai mostrar algumas canções de seu mais recente álbum, o horrível Deus é Mulher. Vergonha alheia em grau master, principalmente por sempre haver bobalhões “baba ovos” na plateia. Fuja disso!

 

HUMBERTO GESSINGER

25 – Teatro Positivo – Curitiba

Não se engane: os shows da carreira solo do líder do extinto Engenheiros do Hawaii é exatamente uma extensão da carreira de sua ex-banda. A diferença é que ele não se cerca mais de músicos medíocres. As canções são as mesmas de sempre, com uma ou duas inéditas… Os shows servem apenas para quem já é “convertido” e é desaconselhado para quem nunca suportou as letras “qualquer nota” do cara. Ah, um detalhe: o show do primeiro dia será no formato “acústico”, enquanto que a apresentação do dia seguinte será “elétrica”. Então, já sabe…

 

SKANK

25 – Tom Brasil – São Paulo

Canções bacanas, instrumentistas competentes, astral animado e simpatia espontânea. São exatamente estas características que sempre estão presentes em qualquer show do grupo mineiro, que agora se propõe a montar um repertório unicamente centrado em seus três primeiros álbuns: Skank (1993), Calango (1994) e Samba Poconé (1996). É inegável que você vai passar o tempo com um sorriso estampado no rosto. Vá e divirta-se!

 

BANDA BLACK RIO

25 – Blue Note – São Paulo

Embora esteja completamente descaracterizada em relação a sua formação original, esta reencarnação do lendário grupo dos anos 70 faz um show até que animado, mas feito para agradar apenas a quem não faz a menor ideia da história da banda. Quem conhece o som “das antigas” vai simplesmente odiar o que estes caras estão fazendo. Sugiro uma olhadela para que você se posicione.

 

BTS

25 e 26 – Allianz Parque – São Paulo

Não tenho a menor dúvida que será a maior concentração de adolescentes retardadas reunidas em um único lugar em muitos anos, que vão berrar a plenos pulmões letras que não fazem a menor ideia e muito menos prestar atenção ao fato de que tudo é apresentado em playbacks escancarados. Assista aos shows e saia do local direto para um consultório médico a fim de agendar sua vasectomia…

 

CAETANO VELOSO

25 e 26 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Em um show chamado de “Ofertório”, ele se apresenta ao lado de seus filhos Moreno, Zeca e Tom. Ainda não tive a oportunidade de assistir a essa “reunião em família”, mas uma apresentação de Caetano Veloso jamais deve ser ignorada. Para o bem e para o mal…

 

RINCON SAPIÊNCIA

26 – Auditório Ibirapuera – São Paulo

Suas canções até que tem letras bem interessantes e rimas bem sacadas, mas o som… Lamentavelmente, Rincon opta por reciclar batidas mais condizentes com o pop funk carioca em vez de botar seu discurso cobre bases mais pesadas e com maior influência do hip hop. Quando botar mais Public Enemy e Cypress Hill em seu caldeirão sonoro, aí sim perigas soar como gente grande. Por enquanto, parece um tiozão tentando impressionar a molecada. Passo.

 

ANGRA

26 – Bolshoi Pub – Goiânia

É uma pena que uma das bandas de metal nacionais mais conhecidas no exterior esteja presa a uma fórmula sonora completamente caduca que hoje, mais do que nunca, é conhecida pejorativamente como “metal melódico”. Contando agora em suas fileiras com um dos vocalistas mais chatos da galáxia – o italiano Fabio Lione (ex-Rhapsody of Fire; ex-Labyrinth) -, é daquelas apresentações indicadas a quem ainda se emociona com cafonices como “Carry On” e outras bobagens.

 

TRIO VIRGULINO

26 – SESC Itaquera – São Paulo

Este é o show perfeito para quem pensa que porcarias como Aviões do Forró, Calcinha Preta, Mastruz com Leite e outras aberrações fazem algo próximo daquilo que se pode chamar de “forró”. Esqueça estas tranqueiras e delicie-se com o verdadeiro som do gênero, além de baião e xotes tocados por maestria por um dos mais veteranos trios da música brasileira. Pode ir sem susto e balançar o esqueleto até cair…

 

JORGE ARAGÃO e FUNDO DE QUINTAL

27 – Allianz Parque Hall – São Paulo

Assim como Zeca Pagodinho, o velho e bom Jorge faz samba legítimo e não esses pagodes xexelentos que empesteiam a atmosfera deste País. Faz muito tempo que não o vejo nos palcos, já que ele esteve por um bom tempo afastado deles por sérios problemas de saúde. Como tudo agora parece estar OK com ele, vale a pena dar uma checada em seu ótimo som. Já o Fundo de Quintal se contenta em apenas fazer aquele sonzinho sem vergonha para derreter corações de ‘piriguetes’ com mini-saias e cabelo tingido com água de salsicha. Samba que é bom mesmo… Nada!

 

“ENCONTRO MARCADO” e “NÓS DO ROCK RURAL”

28 – Allianz Parque Hall – São Paulo

Reunindo dois projetos em um único evento, será uma boa oportunidade de assistir às apresentações do 14 Bis, Sá & Guarabyra, Flávio Venturini, Ricardo Vignini e Zé Geraldo, todos tocando juntos. Pode ser uma noite bem divertida se você for daqueles saudosistas da MPB dos anos 70 e 80.

 

LULU SANTOS

28 e 29 – Km de Vantagens Hall – Rio de Janeiro

Show de Lulu Santo sempre é garantia de caminhão de hits bem tocados, performances energéticas e precisas, gente incapaz de ficar sentada na plateia e muita cantoria. Ele também vai apresentar algumas canções de seu mais recente projeto, “Baby Baby!”, no qual aborda de maneira bem pessoal algumas canções do repertório de Rita Lee. Quem é fã, deve conferir; quem nunca viu show dele e tem curiosidade, vai se se surpreender.

 

LÔ BORGES

29 – Theatro NET – Rio de Janeiro

Esta é uma rara oportunidade de tomar contato com a obra de um dos melhores artistas da música brasileira. Oriundo do famoso Clube da Esquina, ele tem uma discografia curta e excelente, cheia de canções maravilhosas que nem mesmo a sua voz irregular consegue tirar o brilho. Como está lançando um novo disco, Rio da Lua, e certamente vai incluir no repertório algumas canções dos ótimos “Disco do Tênis” e Via Láctea, pode ir sem susto…

 

FAFÁ DE BELÉM

29 – Theatro NET – São Paulo

Dona de uma das vozes mais lindas da história da MPB, ela tem tudo para fazer um bom espetáculo. O problema será o repertório, coisa que Fafá nunca soube escolher muito bem ao longo de sua carreira. Torça para que ela esteja inspirada tanto na hora de abordar as canções de seu mais recente disco, do qual só ouvi uma horrível versão de “Toda Forma de Amor”, do Lulu Santos. Sinto que a plateia vai testemunhar toda a cafonice que sempre marcou grande parte de suas interpretações…

 

JOHN STEIN TRIO

30 – SESC 24 de Maio – São Paulo

É difícil acreditar que este talentosíssimo guitarrista americano seja praticamente desconhecido até mesmo do público que acompanha o jazz com certa atenção. Talvez porque sua música extrapole bastante as fronteiras deste gênero e sobrevoe também os verdejantes campos do blues e até mesmo da bossa nova. Para tornar a coisa ainda mais saborosa, ele vai tocar em trio ao lado do ótimo baterista Zé Eduardo Nazário e terá a participação especial do saxofonista/flautista Teco Cardoso. Showzaço imperdível!

 

AMELINHA

30 – Imperator – Rio de Janeiro

Depois de quase uma década de afastamento do show business e retornar com um disco bem interessante, Janelas do Brasil, exibindo uma voz ainda potente e bonita, ela continua a fazer shows divulgando o bom trabalho que lançou no ano passado, De Primeira Grandeza – As Canções de Belchior. Portanto, esteja preparado para ouvir boas versões de “Paralelas”, “Alucinação”, “A Palo Seco” e “Mucuripe” em alternância com canções de seu próprio repertório, como as já clássicas “Foi Deus que Fez Você”, “Mulher Nova Bonita e Carinhosa…” e “Frevo Mulher”, obviamente.

 

BIQUINI CAVADÃO

30 – Tom Brasil – São Paulo

Uma das mais medíocres bandas da história do rock brasileiro fazendo shows tão animados quanto uma quermesse em dia de chuva. Tô fora!

 

ROTTING CHRIST

30 – Teatro Odisséia – Rio de Janeiro

Tem muita gente que considera essa banda grega como “black metal”. Eu discordo, mas por outro lado não sei como categorizar um grupo que traz influências do Immortal e do Paradise Lost. Só sei que os discos dos caras são muito bons – o mais recente então, The Heretics, é excepcional! – e que você não deve deixar de assistir ao show dos caras. Simples assim.