“É Show ou é Fria”: 25 a 31/1

CLAUDIA LEITTE

25 – Audio – São Paulo

Evidentemente, ela deixou de ser uma figura carismática até para os padrões rasos da axé music. Para piorar, Claudia Leitte não é uma boa cantora, seu repertório é muito ruim e a falta de uma “assessoria de bom gosto” a faz colocar bailarinos patéticos com coreografias ridículas – que fariam o falecido apresentador Bolinha ter outro ataque do coração – e a se vestir muitas vezes como uma “Lady Gaga do Recôncavo Baiano”. É um daqueles shows só para fãs retardados baba-ovos e para quem gosta de micaretas em forma de aula de aeróbica, que no fundo são os mesmos. Já sei onde NUNCA estarei…

 

MORAES MOREIRA

25 – Imperator – Rio de Janeiro

Se tem um cara que tinha tudo para ainda manter um pique animado e um bom patamar de qualidade em suas apresentações era o bom ex-Novos Baianos. É uma pena que a voz de Moreira já tenha ido para o brejo e que seus shows hoje em dia sejam apenas espasmos das boas apresentações que ele costumava fazer no passado. No repertório há canções muito boas, mas a fraca performance de Moreira vem botando tudo a perder. Pena…

 

FERNANDA TAKAI

25 – SESC 24 de Maio – São Paulo

Em carreira solo, a vocalista do Pato Fu guarda grande parte de sua delicadeza melódica para elaborar boas canções e outras nem tanto. Vale a pena dar uma arriscada e assistir a estas apresentações com uma “vibe” mais tranquila, baseadas em seu novíssimo disco, O Tom da Takai, produzido e arranjado por Roberto Menescal e Marcos Valle, só com músicas de Tom Jobim.

 

LENINE

25 – SESC Itaquera – São Paulo

Dentro do atual cenário da MPB, poucos são os artistas que apresentam um trabalho tão consistente, coerente e de alto valor artístico quanto ele. Sempre surpreendendo a plateia com repertórios diferentes e com uma banda de apoio muitas vezes pesada para o tipo de som que faz, Lenine transforma cada uma de suas canções em manifestos poéticos muitas vezes sacolejantes – algo ainda mais raro de se ver e ouvir. Seu novo show, Em Trânsito, vai revelar muitas surpresas e não pode ser ignorado, justamente pelas qualidades de seu autor acima citadas. Vá sem medo!

 

A BANDA MAIS BONITA DA CIDADE

25 – SESC Santo Amaro – São Paulo

Nem preciso escrever nada, né? Na boa: se você está pensando em assistir a esse show, é porque está com o cérebro entupido de bolo de fubá da vovó com café quentinho. Pelo amor de Deus…

 

PAULA LIMA

25 – SESC Campo Limpo – São Paulo

Sempre competente na hora de misturar soul musicr&b e música brasileira em suas canções, Paula vai dar uma repassada no repertório de sua já extensa carreira com sua bela voz sempre bem acompanhada por ótimos músicos. Boa pedida para você e sua família, já que o show será gratuito!

 

RINCON SAPIÊNCIA

25 – SESC Pinheiros – São Paulo

Suas canções até que tem letras bem interessantes e rimas bem sacadas, mas o som… Lamentavelmente, Rincon opta por reciclar batidas mais condizentes com o pop funk carioca em vez de botar seu discurso cobre bases mais pesadas e com maior influência do hip hop. Quando botar mais Public Enemy e Cypress Hill em seu caldeirão sonoro, aí sim perigas soar como gente grande. Por enquanto, parece um tiozão tentando impressionar a molecada. Passo.

 

GERSON KING COMBO

25 – SESC Osasco – Osasco (SP)

Um dos grandes nomes do verdadeiro funk nacional, o veterano cantor ainda consegue fazer as plateias chacoalharem os esqueletos com shows divertidos e descompromissados. Como esta apresentação será gratuita e ele estará acompanhado de uma boa banda apoio, vale a pena sair de casa e dar uma espiada…

 

DUOFEL

25 – SESC Santo André – Santo André (SP)

Este magistral duo de violonistas – formado por Fernando Melo e Luiz Bueno – está comemorando quatro décadas de carreira incessante e apresenta novamente o show em que utilizam uma série de violões e violas diferentes para exibir um repertório brilhante. É um espetáculo que você não pode perder caso tenha a mente aberta.

 

ORQUESTRA TABAJARA

25 – Teatro Rival Petrobrás – Rio de Janeiro

A mais lendária das orquestras brasileiras em todos os tempos continua na ativa, acredite, desde a 1934!!! Embora não conte mais com seu indiscutível líder, o falecido maestro Severino Araújo, ela continua dando conta do recado em sua abordagem popular com os integrantes da atual formação. Show essencial para quem tem saudades dos gloriosos tempos da música brasileira e para a molecada que precisa tomar contato com esse tipo de sonoridade.

 

PAULO MIKLOS

25 e 26 – SESC Belenzinho – São Paulo

O fato de ter sido o titã que cantava melhor no grupo e por ter uma carreira solo bem interessante certamente fez com que muita gente se surpreendesse com o excesso de “brasilidade” presente em seu mais recente álbum, A Gente Mora no Agora, que é justamente a base de seu novo show. Se você não tiver problema em ver em ação alguém que traz a versatilidade como característica principal de seu trabalho, provavelmente vai se divertir muito nessas duas noites.

 

PAULINHO MOSKA

25 e 26 – SESC Pompéia – São Paulo

Ele tirou o “Paulinho” do nome artístico e agora botou de volta, em um tipo de indecisão meio bobo e inconsequente. Isso só reforça a tese de que é um cara talentoso, mas que sempre apresenta um repertório bastante irregular, inclusive em suas atitudes artísticas. Aliás, a falta de uma constante safra de boas canções é justamente o que atrapalha a sua carreira, o que fica ainda mais nítido com sua nova turnê, que promove o álbum Beleza e Medo, lançado recentemente. Arrisque!

 

ROUPA NOVA

25 a 27 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

É aquela velha história: os caras são músicos extraordinários, com total domínio de seus instrumentos, mas ficaram presos a um mercado que não aceita nada que contenha um mínimo de criatividade musical. Resignada, a banda então vem se rendendo há anos em tocar coisas abomináveis como “Dona” e “Whisky a Go Go”, feitas especialmente para agradar a um público muito pouco exigente. Infelizmente, o Roupa Nova é a prova que todo país tem o Toto que merece…

 

LEONARDO

26 – Km de Vantagens Hall – Rio de Janeiro

Se você pensa que “romantismo” é ouvir canções tão consistentes quanto um pote de canjica, com letras repletas de poesia de 5ª série de Primeiro Grau, cantadas por um sujeito até que boa-praça, mas que é incapaz de mostrar um pingo de ousadia em seu som, então este show é para você. É um espetáculo em que transbordam emoções de araque, em que até mesmo o resgate de músicas do passado de gente como Tião Carreiro, Chitãozinho & Xororó e João Mineiro & Marciano receba um tratamento indigente em termos musicais. Fuja!

 

LULU SANTOS

26 – Fundição Progresso – Rio de Janeiro

Show de Lulu Santo sempre é garantia de caminhão de hits bem tocados, performances energéticas e precisas, gente incapaz de ficar sentada na plateia e muita cantoria. Ele também vai apresentar algumas canções de seu mais recente projeto, “Baby Baby!”, no qual aborda de maneira bem pessoal algumas canções do repertório de Rita Lee. Quem é fã, deve conferir; quem nunca viu show dele e tem curiosidade, vai se se surpreender.

 

TERESA CRISTINA

26 – Imperator – Rio de Janeiro

Apadrinhada por Caetano Veloso, ela é uma cantora de boa voz, sem sombra de dúvidas. Se neste espetáculo ela se propôs a revisitar o repertório de Noel Rosa, a probabilidade de você encontrar uma bela e delicada apresentação ao som do violão de Carlinhos Sete Cordas é muito grande. Arrisque!

 

HAMMOND GROOVES

26 – JazzB – São Paulo

Aqui está um exemplo de apresentação que você não pode perder em hipótese alguma. Este trio – capitaneado por Daniel Latorre, um dos maiores experts em órgãos Hammond da América Latina – sempre faz shows espetaculares justamente tendo este lendário instrumento guiando baixo e bateria em levadas instrumentais sensacionais. Para “piorar”, o repertório é lotado de composições de Jimmy Smith, Booker T & The MG’s, Wes Montgomery, John Patton, Dr. Lonnie Smith, George Benson, Jimmy McGriff, Miles Davis, John Coltrane, Medeski, Martin &Wood e mais um monte de coisas bacanas do “jazz boogaloo”. Além disso, preste muita atenção aos sons do primeiro álbum dos caras, Funktastic. Simplesmente imperdível!

 

ZÉLIA DUNCAN

26 – SESC Parque Dom Pedro II – São Paulo

Cantora razoável com timbre de voz extremamente característico, ela vai mostrar nesse show gratuito várias canções de seu mais recente trabalho, Antes do Mundo Acabar, com um bom repertório de canções emblemáticas de seu repertório tradicional e até mesmo sambas de sua autoria e de outros parceiros. É daquelas apresentações simpáticas, que mostram que ainda é possível fazer música brasileira com um nível de qualidade acima da média.

 

MARIA BETHANIA & ZECA PAGODINHO

26 – Teatro Castro Alves – Salvador

Confesso que nunca fui fã da temperamental cantora baiana, mas ela agora surge com um novo show ao lado de uma figura que não poderia ser mais antagônica: Zeca Pagodinho! Os dois vão interpretar sucessos de seus respectivos repertórios e até mesmo algumas novas canções. É um encontro meio maluco, mas que pode trazer um pouco mais de leveza à cantora em cima do palco. Se ambos tiverem uma banda de apoio azeitada, pode ser uma experiência interessante…

 

ROSA DE SARON

26 Teatro Positivo – Curitiba

Era só o que faltava: turnê de despedida de integrante de banda católica! A ‘façanha’ é desse grupo cujos integrantes, apesar de bons músicos, só conseguem fazer canções muito chatas. É um chororô que beira o insuportável, ainda mais porque o grupo anda agora sendo muito influenciado em termos sonoros pelo pavoroso Creed. Pois os caras agora resolveram fazer shows para que os fãs deem adeus ao vocalista Guilherme de Sá, o que certamente acarretará adiante mais uma turnê para apresentar um novo vocalista, e assim a coisa vai continuar girando para tirar uma grana dos fãs retardados. Ê, laiá…

 

VANGUART

26 – Teatro Rival Petrobrás – Rio de Janeiro

Deus me livre de indicar este show a você. O motivo? Simples: se em disco o vocalista Helio Flanders se mostrou um primor na arte de desafinar – vide o pavoroso álbum Boa Parte de Mim Vai Embora -, imagine ouvir isto ao vivo e no infame formato “acústico”? Fuja!

 

5 A SECO

26 e 27 – SESC Vila Mariana – São Paulo

Quando assisti a um show do grupo tempos atrás, fiquei com a impressão que seria uma atração perfeita para festa de final de ano de grêmio estudantil de alguma faculdade de Letras, um tipo de evento que sempre fugi como os vampiros se afastam das cruzes e da luz do sol. Bem, só por isso já dá para sacar o que penso a respeito das apresentações da banda, né?

 

LUCAS SANTTANA

26 e 27 – SESC Avenida Paulista – São Paulo

Trabalhando em cima de seu mais recente álbum, Modo Avião, o cantor/compositor/multiinstrumentista ainda precisa mostrar que corrigiu seu mais grave erro: não reproduzir as boas sonoridades de seus discos quando sobe ao palco, principalmente no que se refere aos vocais, quase sempre cobertos de desafinações. Como neste show ele estará em formato de trio, a probabilidade de o problema ter sido solucionado é muito pequena. Arrisque.

 

AIRTO MOREIRA

26 e 27 – SESC Pompéia – São Paulo

Uma das figuras mais emblemáticas do sucesso que músicos brasileiros conquistaram no exterior, o genial percussionista vai deixar muito claro nessa apresentação os motivos que levaram-no a ser contratado por gente do naipe de Miles Davis, só para citar o mais famoso. Centrando o repertório em seu mais recente álbum, o excelente Aluê, lançado no ano passado, ele vai dar uma verdadeira aula de criatividade percussiva, contando ainda com uma banda de apoio formada por músicos igualmente respeitados no Brasil, com destaque para o baixista Sizão Machado e o baterista Carlos Ezequiel. Não perca!

 

PHIL ANSELMO & THE ILLEGALS

26 – Tropical Butantã – São Paulo
29 – Opinião – Porto Alegre

Ainda com o seu “filme” bem tostado por conta daquele “episódio nazi”, o ex-vocalista do Pantera e do Down tratou de montar uma nova banda com um som ainda mais radical, mas que em disco – Choosing Mental Illness as a Virtue, lançado no início do ano passado – soa como uma barulheira dura de ouvir. Pode ser que ao vivo a coisa melhore – ele prometeu que vai tocar canções de suas ex-bandas -, mas eu acho difícil. Arrisque, mas depois não diga que eu não avisei…

 

THE OUTFIT

27 – Bourbon Street – São Paulo

O projeto paralelo do vocalista do estupendo Cockney Rejects, Jeff Turner, nada tem a ver com o punk “casca-grossa” que apresenta com sua banda, pois traz uma pegada mais voltada para uma mistura de hip hop britânico, pop e ska, e tudo isso soa bem esquisito em ouvidos mais tradicionais. Será a atração principal de um evento que terá como bandas de abertura DeFalla, Inocentes e Os Brutus. Vá por sua conta e risco…

 

NEVER SHOUT NEVER

25 – Music Hall – Belo Horizonte

26 – Espaço Via Matarazzo – São Paulo

27 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Quem se importa com o show de uma banda que nada mais é que um Restart sem cores berrantes nas roupas? A não ser que você seja uma fã desmiolada com a idade mental de um filhote de chimpanzé, vá fazer outra coisa nestes dias…

 

ADRIANA CALCANHOTTO

27 – Imperator – Rio de Janeiro

Ela vai apresentar um novo show que, segundo ela, “foi idealizado como ‘concerto-tese’, ou seja, uma conclusão de minha residência artística na Universidade de Coimbra, em Portugal, onde estive nos últimos dois anos entre cursos e apresentações”. Seja lá o que isso signifique, uma coisa é certa: se tiver mais solta no palco e menos preocupada com sua performance, a cantora pode proporcionar uma experiência bem interessante para a plateia.

 

DADO VILLA-LOBOS & MARCELO BONFÁ

27 – P12 Parador Internacional – Florianópolis

Parece que a dupla não pode mais usar qualquer menção ao nome “Legião Urbana” por medida judicial impetrada pelo filho do falecido Renato Russo – fiquei sabendo por fonte segura que foi um pedido do próprio vocalista antes de morrer. O que ambos não podem fazer é cometer os erros bisonhos que apresentaram em cima do palco em todas as ocasiões em que se meteram a revisitar o repertório do grupo. Dito isto, espero que a plateia se divirta com o prometido – a execução na íntegra dos álbuns Dois e Que País é Este? – e não entre no clima histérico que acomete os fãs dos Los Hermanos, por exemplo.

 

JALOO

27 – SESC Interlagos – São Paulo

Prefiro beber em um gole só um pote inteiro de liquidificador lotado até a boca de uma vitamina de leite com linguiça calabresa apimentada do que a passar perto do local do show desse rapaz. Sério. Sugiro que você faça o mesmo…

 

MARINA LIMA

27 – Teatro Castro Alves – Salvador

Ela ainda está em uma fase muito ruim da carreira. Seu mais recente disco – Novas Famílias ­ – é simplesmente pavoroso e sua voz se tornou tão desafinada que seja a ser constrangedor ouvi-la em shows e em programas de TV. Até mesmo quando resgata canções antigas em suas apresentações o resultado é catastrófico. Que pena…

 

MIRO DE MELO & OS BREGAPUNKS

27 – Fábrica de Cultura de Vila Nova Cachoeirinha – São Paulo

Capitaneado pelo ex-baterista do cultuado grupo 365, esse projeto pretende derrubar a barreira que existe entre a música rotulada como “brega” e o punk, com resultados até que divertidos. Para quem procura diversão compromissada, pode ser uma boa pedida ouvir antigas canções de Reginaldo Rossi, Odair José, Paulo Sergio, Peninha e Evaldo Braga com uma roupagem mais roqueira. E ainda terá como convidado especial o Ovelha!!! Bizarrice imperdível!

 

MICHELLE ABU

28 – SESC Consolação – São Paulo

Na verdade, essa excelente baterista/percussionista é uma multiinstrumentista que atua em vários campos musicais, tendo trabalhado com Lobão, Mercenárias, Ira! e mais um monte de gente. Só que nesta apresentação – também gratuita – ela irá mostrar as canções de seu primeiro e interessante álbum solo, #1. Assista e se surpreenda.

 

CURUMIN

28 – SESC do Carmo – São Paulo

Ótimo baterista e um dos mais requisitados instrumentistas da atualidade, Curumin vai mostrar neste show uma parceria inusitada com a veterana sambista carioca Geovanna, um nome conhecido apenas pelos mais empedernidos fãs do samba-rock dos anos 70. Não faço a menor ideia do que vai sair disso, mas a minha curiosidade é maior que a comodidade.

 

HAKEN

29 – Fabrique – São Paulo

Nunca havia ouvido falar nesse grupo inglês que é tratado pela assessoria de imprensa aqui no Brasil como um “fenômeno do prog metal mundial”. Exageros à parte, fui ouvir o álbum Vector, lançado em outubro do ano passado e tomei um susto: o som dos caras parece uma banda cover do Dream Theater tentando soar como o Imagine Dragons! Um troço simplesmente pavoroso! Deus me livre!

 

CHITÃOZINHO & XORORÓ

29 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Se você estiver esperando por novidades, nem passe perto da porta deste show. Agora, se você nunca foi a uma apresentação deles e tem certa curiosidade, esta é uma boa oportunidade. Acontece que a dupla está mais do que nunca se afastando daquelas baladas “dor de corno” horrorosas do passado e investindo em uma sonoridade bastante próxima do country rock, o que não deixa de ser uma boa notícia. Isso sem contar que a banda de apoio é uma das melhores da praça. Se você não for um cara preconceituoso, a hora é agora…

 

AMELINHA

30 – SESC Pompéia – São Paulo

Depois de quase uma década de afastamento do show business e retornar com um disco bem interessante, Janelas do Brasil, exibindo uma voz ainda potente e bonita, ela continua a fazer shows divulgando o bom trabalho que lançou no ano passado, De Primeira Grandeza – As Canções de Belchior. Portanto, esteja preparado para ouvir boas versões de “Paralelas”, “Alucinação”, “A Palo Seco” e “Mucuripe” em alternância com canções de seu próprio repertório, como as já clássicas “Foi Deus que Fez Você”, “Mulher Nova Bonita e Carinhosa…” e “Frevo Mulher”, obviamente.

 

LEILA PINHEIRO

30 – Theatro NET – Rio de Janeiro

Ainda uma excelente cantora, ela vai mostrar um repertório contendo belas canções de sua carreira e várias outras de gente que ajudou a moldar o seu próprio estilo, tudo no formato “voz e piano” – ocasionalmente, ela empunha o violão – e acompanhada pelo músico João Felippe e seu cavaquinho de cinco cordas. Pode apostar que será um espetáculo classudo.

 

ALAÍDE COSTA e CLAUDETTE SOARES

30 e 31 – SESC 24 de Maio – São Paulo

Duas das maiores cantoras que o Brasil já teve a oportunidade de ouvir irão recriar, meio século depois, o antológico show em que ambas participaram no Teatro Paramount, batizado como O Fino da Bossa, que acabou inspirando o programa de TV que tinha Elis Regina e Jair Rodrigues como apresentadores. Para melhorar ainda mais, as duas vão mostrar canções Tom Jobim e Vinícius de Morais. Se quiser assistir ao vivo uma linda página da música brasileira, a oportunidade é esta!

 

DEFALLA

31 – Manifesto Bar – São Paulo

Sim, a cultuada banda gaúcha voltou à ativa depois de 14 anos parada com sua formação original – o vocalista Edu K, a baterista Biba Meira, o baixista Carlo Pianta e o guitarrista Castor Daudt -, soltou um interessante álbum em 2016, Monstro, e andou fazendo apresentações bastante irregulares por aí. Pelo cartaz deste, parece que a formação mudou de novo e eu não obtive qualquer informação recente a respeito disso. Vá por sua conta e risco, pois tudo pode acontecer quando Edu K está em cima do palco…

 

MODA DE ROCK

31 – SESC Vila Mariana – São Paulo

O duo é um bom exemplo de como a linguagem sonora da viola pode ser trabalhada nos mais diversos gêneros. Neste show, a dupla formada pelos violeiros Ricardo Vignini e Zé Helder mostra como empregar o instrumento em arranjos muito bem elaborados para recriar grandes clássicos da banda de Robert Plant e Jimmy Page, pois estão lançando um novíssimo álbum, Moda de Rock Toca Led Zeppelin. Imperdível!

 

ARNALDO ANTUNES

31 – SESC Pompéia – São Paulo

Inquieto como sempre, ele retorna aos palcos agora apresentando canções de seu mais recente trabalho, Rstuvxz, e algumas versões, incluindo “Exagerado” (Cazuza) e “Vou Festejar” (Beth Carvalho), ou seja, ele certamente vai entregar algo ‘surpreendente’. Huuum, não sei não…

 

ANGELA RO RO

31 – Teatro Rival Petrobrás – Rio de Janeiro

A cantora de voz inconfundível continua a divulgar o pavoroso álbum que lançou no ano passado, Selvagem, que evidenciou o quanto ela está cantando mal mesmo dentro do ambiente de um estúdio, em que desafinações e semitonações podem ser corrigidas – no caso dela, até certo ponto. Como ela também deve mostrar no show algumas de suas versões para canções de Cazuza, Caetano Veloso, João Donato e até Cole Porter, e prepare para uma experiência: pode acontecer de tudo, para o bem ou para o mal. Arrisque!

 

2019-01-25T10:27:00+00:00

21 Comments

  1. Sandro Rafael da Silva 25 de janeiro de 2019 at 15:07 - Reply

    Porra, esse Hammond Grooves é do caralho hein, Régis! Valeu pela dica! Abraço.

  2. elizete 25 de janeiro de 2019 at 17:15 - Reply

    Olá. Esse ano o Nelson Gonçalves está completando 100 anos de idade. Você pretende fazer algum post ou um vídeo a respeito deste que é o melhor cantor do Brasil?

    • Regis Tadeu 26 de janeiro de 2019 at 17:33 - Reply

      Nelson Gonçalves não completa cem anos de idade este ano por que ELE MORREU em 1998!!! Se ligue, porra!

  3. Marcos Tavares 26 de janeiro de 2019 at 13:12 - Reply

    As críticas parecem CTRLC/ CTRV …..Toda semana quando tem show de artistas que já foram analisados, como Roupa Nova, Chitãozinho e Xororó, etc, é o mesmo texto !!!! Aí o Régis vem com a desculpa : ” Se o artista não muda o show, vou continuar escrevendo a mesma coisa” .Isso se chama PREGUIÇA . Faça textos novos, esses a gente já leu.

    • Regis Tadeu 26 de janeiro de 2019 at 17:28 - Reply

      Quer que eu faça textos novos, Marcos Tavares? Você paga quanto por eles? Dependendo do valor, enviarei os dados de minha conta para que você deposite/transfira os valores semanais. Caso contrário,continue lendo o que eu escrevo e fique quieto. Não sou seu empregado para receber ordens.
      Considere-se avisado.

      • Marcos Tavares 26 de janeiro de 2019 at 22:57 - Reply

        Me passe o valor , número da sua conta e agência, que pagarei com prazer para ler uma crítica bem feita , sem preguiça e que me faça decidir em qual show vou gastar meu dinheiro .Respeito você como crítico musical, tanto que estou disposto a pagar . Cobre o valor para 1 mês de análises criativas ( algo que fique na casa dos R$ 5,000,00 ), pois concordo que deve receber para tal trabalho . Se suas análises forem originais, todo mês iremos fazer esta parceria .É um bom incentivo profissional pra você, não ? Mas pelo amor de Deus, eu também odeio o Belo, mas aquela piada de que “ele foi preso pelos motivos errados ” já deu . Foi engraçada da primeira vez . Na trigésima perdeu a graça. Faça piadas e análises novas . Aguardo seu retorno .

        • Regis Tadeu 27 de janeiro de 2019 at 09:28 - Reply

          Entre em contato comigo por e-mail e acertaremos os detalhes dessa “parceria”…

          • Marcos Tavares 27 de janeiro de 2019 at 12:06

            Obrigado pelo retorno .Qual seu e-mail ?

          • Regis Tadeu 27 de janeiro de 2019 at 12:51
  4. Cinthia Resende da Silva 26 de janeiro de 2019 at 14:36 - Reply

    Olá Regis. Tudo bem ? Gostaria de saber o que acha do André Frateschi como cantor e artista. É ele quem assumiu o vocal da Legião Urbana nessa turnê, mas ele já tem uma carreira musical e um ótimo cd solo (Maximalista). Abraços

    • Regis Tadeu 26 de janeiro de 2019 at 17:30 - Reply

      Oi, Cinthia. Se você deseja que eu elabore uma resposta completa e explicativa a respeito desse e outros assuntos, seja sócio do meu “Grupo Secreto”. Mais informações no “Plano de Assinaturas e Recompensas” aqui no site.
      Abraço!

  5. Marcos 26 de janeiro de 2019 at 15:38 - Reply

    Fernanda Takai é um porre… se a voz ainda fossa audível, vá lá. Mas é insuportável.

  6. elizete 26 de janeiro de 2019 at 19:19 - Reply

    Ok, o Nelson Gonçalves morreu em 1998, eu estava me referindo ao centenário dele. Você pretende fazer algum post ou vídeo sobre ele?

    • Regis Tadeu 26 de janeiro de 2019 at 21:10 - Reply

      Não.

      • elizete 26 de janeiro de 2019 at 22:05 - Reply

        Compreensivel

  7. elizete 26 de janeiro de 2019 at 22:15 - Reply

    Observando alguns comentários e as suas respostas pedindo dinheiro e assinatura, vc tá parecendo o Moshe Dayan, que cobrava para dar autógrafos e tirar fotos com os fãs. Assim, na boa, seu blog não vai longe. Textos novos, com análises diferentes são fundamentais para angariar público e ter ANUNCIANTES. Você poderia escolher um álbum por semana para fazer uma crítica, e já anunciar o álbum que será analisado na semana seguinte. Mas não, fica com essa postura do “me dá um dinheiro ai”. Tá faltando criatividade, e largar a preguiça, vide sua resposta acima. No centenario de um dos, se não o, maior cantor do Brasil, você disse que não vai fazer vídeo nem resenha.

    • Regis Tadeu 27 de janeiro de 2019 at 09:27 - Reply

      Você é tão burrinha – vide a história do “show do Chet Baker em Vitória” – que não percebe que são postados textos novos TODOS OS DIAS por aqui. E GRATUITOS. Agora, pessoas como você merecem pagar mesmo para obter a minha atenção. E será assim daqui por diante para você. Considere-se avisada e passar bem.

  8. Zeca Sento Sé 30 de janeiro de 2019 at 03:38 - Reply

    Fiquei curioso quanto ao show do DUOFEL.

    Obrigado!

  9. Állan Wesley 1 de fevereiro de 2019 at 04:05 - Reply

    Pena que o show do Phil Anselmo aqui no Rio foi cancelado. É muito bom, mesmo que ele esteja com a voz deteriorada e a coluna do Robocop.

  10. Lenilson Otero Pereira 12 de fevereiro de 2019 at 18:25 - Reply

    O Régis Tadeu deve viver de ácido e pimenta, para ser tão sarcástico e apimentado. Adoro críticas dele, mas ás vezes ele passa dos limites. Um processo de algum artista ia dar um chá de humildade nele. Tomara que ocorra.

  11. marcus v gava 16 de fevereiro de 2019 at 17:11 - Reply

    Regis voce e uma figura. Estou morrendo de rir aqui das suas respostas.

Deixe um Comentário