MANO BROWN

28 – SESC Belenzinho – São Paulo

A julgar por aquilo que ouvi em seu primeiro álbum solo, o bom Boogie Naipe, lançado no ano passado, o líder incontestável dos Racionais MCs busca um distanciamento do engajamento sonoro que marcou toda a sua carreira. Agora ele quer se divertir com sons inspirados em fontes tão distintas como Tim Maia, Jorge Ben, Marvin Gaye, Leon Ware, Cassiano, Clara Nunes, Bebeto, Isaac Hayes e Fundo de Quintal, segundo ele mesmo. Certamente não dá para ficar indiferente a esta proposta. Ainda mais de quem vem…

 

BARÃO VERMELHO

28 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Quando a banda resolveu prosseguir em atividade a partir do momento em que Cazuza caiu fora, pouca gente acreditou que o guitarrista Roberto Frejat seguraria a onda de “frontman”. Não só segurou, como o fez com imensa dignidade e competência. Agora que o próprio Frejat se foi e o saudoso percussionista Peninha anda batucando em paragens celestiais, os talentosos integrantes remanescentes escalaram Rodrigo Suricato como cantor/guitarrista e o resultado não ficou ruim como se imaginava. Quem é fã vai continuar se esbaldando…

 

JORGE & MATEUS

28 – P12 Parador Internacional – Florianópolis
Você já ouviu em demasia estas duplas sertanejas que empesteiam os nossos ouvidos de uns tempos para cá? Já não aguenta mais ouvir falar em Bruno & Marrone e outras porcarias? Está cansado de ver gente vestida de cowboys que só vê terra úmida quando chove no bairro onde mora? Tem vontade de esganar alguém quando ouve músicas que falam “da paixão que sinto por você” e outras “mimimis de dor-de-corno”? Então passe longe do show desta dupla, pois eles apresentam o que de pior pode haver dentro de deste universo sertanejo de araque. Cruz credo!

 

PLANTA E RAIZ & MATO SECO

29 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Se você não acredita quando digo que não há um grupo decente de reggae no Brasil, vá a este evento e comprove como vocais desafinados, instrumentação ‘perninha’ e canções medíocres são o retrato da “cena regueira” nacional. É de chorar de tão ruim…

 

ALOK

29 – P12 Parador Internacional – Florianópolis

O fato desse moço ser o DJ preferido do cast de atores e atrizes da Globo diz muito a respeito da qualidade do som que ele coloca em seu pendrive na hora de animar seus shows, sempre contando com plateias mais ocupadas em pular e beijar desenfreadamente do que em prestar atenção ao que rola no palco. Tenha um pouco de dignidade ao terminar o ano e fuja dessa presepada…

 

WESLEY SAFADÃO

1/1 – P12 Parador Internacional – Florianópolis
Minha Nossa Senhora! Show desse sujeito logo no primeiro dia de 2019? Quem for vai certamente começar o ano com quatro patas esquerdas.  Nem preciso comentar, né? De uma coisa você pode ter certeza: já sei onde NÃO estarei…

 

NATIRUTS

3/1 – P12 Parador Internacional – Florianópolis
Como eu escrevi acima, é imperdoável que não tenhamos bandas de reggae decentes em um país tropical como o nosso. A melhorzinha delas é justamente este grupo, que tem lá suas qualidades na parte instrumental, mas que peca justamente no discurso, já que as letras são mais fracas que óleo de máquina de costura. Se você for chegado num “fumacê” e acha que reggae é Bob Marley e mais ninguém, pode até se divertir neste show. Se tiver um pouco mais de tutano, vai segurar a sua grana e esperar para gastá-la quando uma boa atração internacional aportar por aqui.

 

JORGE ARAGÃO

3/1 – SESC Pompéia – São Paulo

Assim como Zeca Pagodinho, o velho e bom Jorge faz samba legítimo e não esses pagodes xexelentos que empesteiam a atmosfera deste País. Faz muito tempo que não o vejo nos palcos, já que ele esteve por um bom tempo afastado deles por sérios problemas de saúde. Como tudo agora parece estar OK com ele, vale a pena dar uma checada em seu ótimo som.

 

BLUES ETÍLICOS

3/1 – Teatro Rival Petrobrás – Rio de Janeiro

Uma dos bons nomes da cena blues/rock que temos no Brasil, o grupo carioca está comemorando três décadas de existência com o lançamento de mais um CD gravado ao vivo. Tomara que a irregularidade de suas apresentações em cima dos palcos tenha ficado para trás e que este show marquem uma nova etapa na errática carreira dos caras. Repertório para isto eles têm. Ah, a banda Laranjeletric será a atração de abertura.