“É Show ou é Fria: 3/8 a 9/8

TRIBALISTAS

3 e 4  – Marina da Glória – Rio de Janeiro

É inacreditável que depois do total fracasso do segundo e autointitulado álbum lançado no ano passado o trio formado por Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes – secundado por inúmeros músicos contratados, incluindo Dadi, baixista da A Cor do Som – tenha a ousadia de se apresentar em grandes palcos espalhados pelo País. Não é possível que alguém se disponha a gastar uma grana preta para sair de casa e ouvir em cima do palco uma sucessão de canções horríveis e pretensiosas em sua “exibição de simplicidade”, um troço tão falso quanto uma nota de R$ 7. Passe longe desse ‘mamute apodrecido’!

 

LÉO JAIME & LEONI

3 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Este show – ironicamente batizado como “Leoni & Leonardo” – traz dois velhos parceiros se reunindo para mostrar canções de seus respectivos repertórios, o que pode ser perfeito para quem é saudosista do chamado “rock dos anos 80”. É outra daquelas apresentações do tipo “vá por sua conta e risco”…

 

MALLU MAGALHÃES

3 – Tom Brasil – São Paulo

9 – Opinião – Porto Alegre

Se pelo menos em disco ela conseguiu corrigir a rota nas composições – seu mais recente trabalho, Vem, lançado no ano passado, tem lá algumas boas canções -, ao vivo pouca coisa mudou, principalmente as terríveis desafinações que parecem ser uma marca registrada da ex-menina que se transformou em uma bela mulher. Adoraria ser surpreendido, mas creio que ainda não será desta vez…

 

SORRISO MAROTO

3 – Teatro Positivo – Curitiba

Meu Jesus na cruz… Isto é horrível! Como é que uma grupo destes consegue desenvolver uma carreira inteira dependendo do ‘pagode xexelento’ – um meio musical que prima pelo vazio criativo e que inequivocadamente dá seus últimos suspiros – é algo que deveria ser estudado. Talvez a explicação esteja no fato de que sua música é feita para pessoas que acham que o amor é aquilo que se vê nas novelas da Globo. Meu Jesus na cruz…

 

ADORE DELANO

3 – Teatro Bradesco – São Paulo

5 – Opinião – Porto Alegre

Em tempos em que a ‘lacração’ é MUITO mais importante do que fazer músicas decentes, o que se vê por aí é uma enxurrada de gente sem talento sendo adulado pelo comprometimento coma a causa “LGBTXPTO”. Quem teve a coragem de acompanhar os reality shows American Idol e Ru Paul’s Drag Race deve se lembrar de Danny Noriega, agora ‘montada’ como “Adore Delano”. Imagine uma drag queen que é uma mistura da Lana Del Rey com o Michael Monroe (ex-Hanoi Rocks) e uma pitada do falecido Pete Burns (ex-Dead or Alive) em seus piores dias, fazendo um som ora ‘tristonho eletrônico’, ora ‘agressivo de mentirinha’. Inacreditavelmente, três discos fazem parte de sua discografia. Todos horríveis. E ela promete fazer os shows no Brasil com banda e tudo! É, cada país tem o Pablo Vittar que merece…

ERASMO CARLOS

3 – SESC Pompéia – São Paulo

Ao lado de uma competentíssima banda de apoio, Erasmo ainda consegue mostrar porque é o “Tremendão”. Revigorado por conta de seus mais recentes discos, ele ainda exala a velha simpatia e o seu amor incondicional ao rock and roll com um repertório com vários hits e algumas boas canções de sua nova lavra, algumas com uma surpreendente jovialidade – ele está lançando um novo disco, O Amor é Isso.  Pode ir que é diversão na certa…

 

LUÍSA MAITA

3 – SESC Bom Retiro – São Paulo

Quem ouve os discos dessa jovem cantora – o tradicional Lero-Lero (2010) e o mais recente, Fio da Memória (2016), bem mais ousado no experimentalismo eletrônico – saca que ela é bem influenciada por Gal Costa e que ela não fez feio nesses álbuns. Como ela anunciou que vai mostrar as canções incluídas nesses trabalhos no show, sugiro que você assista tudo com ouvidos bem abertos e desprovidos de preconceitos.

 

AUTORAMAS

3 – SESC Santo Amaro – São Paulo

Uma das melhores bandas de rock do Brasil merece – e muito! – a sua atenção. A mistura de surf musicpunkgarage pop e new wave é divertidíssima e o grupo está lançando mais um álbum bacana, Libido, além de comemorar duas décadas de existência se apresentando por aqui e no exterior. Como o líder/vocalista/guitarrista Gabriel Thomaz (ex-Little Quail), a guitarrista/vocalista Érika (ex-Penélope) e seus comparsas sempre mandam muito bem em cima do palco, não tem erro: é show imperdível!

 

TONY BABALU

3Centro Cultural Olido – São Paulo

Figura conhecidíssima na história do rock nacional por conta de seu trabalho com o grupo Made in Brazil, o guitarrista lançou um belo CD instrumental, Live Sessions at Mosh, no qual demonstrou sua habilidade e ecletismo musical ao lado do extraordinário baterista Franklin Paolillo (ex-Rita Lee & Tutti Frutti, ex-Joelho de Porco) e de outros competentes músicos. Agora, irá tocar na íntegra as faixas de seu novo mais recente álbum, Live Sessions II e algumas outras de seu trabalho anterior. E tudo gratuito! Vá, leve a família e se surpreenda!

ZÉ RAMALHO e NANDO REIS

3 – Espaço das Américas – São Paulo

Pelo que sei, os dois não tocarão juntos e sim farão duas apresentações separadas. Assim, se existe um artista brasileiro com um repertório acima de qualquer suspeita na hora de montar um show, é Zé Ramalho. Principalmente porque ele não é daqueles que deita nos louros do passado e está sempre compondo novas e instigantes canções. Pode apostar que o show será bem legal, com toneladas de hits e qualidade sonora impecável. Já o ex-Titãs vinha mostrando que havia dado uma boa melhorada em suas apresentações quando começou a divulgar o álbum Sei. Mais conciso, sem as loucuras do passado, ele tinha dado provas de que finalmente aprendeu a valorizar seu bom trabalho. Ele voltou a ter Os Infernais como sua boa banda de apoio para continuar a divulgar seu mais recente disco, Jardim-Pomar, lançado dois anos atrás. Pode ter certeza que será bem mais legal do que as apresentações “voz & violão” que ele vinha fazendo nos últimos tempos…

 

CHICO BUARQUE

3 e 4 – Teatro Guaíra – Curitiba

Há muito tempo afastado dos palcos, o outrora extraordinário compositor voltou a fazer shows com maior frequência para promover Caravanas, um disco surpreendente bom para seus  padrões dos últimos anos. É um espetáculo que vale a pena ser visto pelos ótimos arranjos, sempre uma marca registrada de seu trabalho. A voz de Chico, que nunca foi lá estas coisas, mas que sempre caiu bem dentro de suas composições, continua a mesma, mas a banda que o acompanha é um show à parte. Deixe o preconceito de lado.

 

LEILA PINHEIRO

3 a 5 – SESC 24 de Maio – São Paulo

8 – Theatro NET – Rio de Janeiro

Ainda uma excelente cantora, ela vai mostrar um repertório contendo belas canções de sua carreira e várias outras de gente que ajudou a moldar o seu próprio estilo, tudo no formato “voz e piano”. Pode apostar que será um espetáculo classudo. Ah, no show do Rio vão rolar as participações especiais de Zelia Duncan, do extraordinário violonista Guinga, de Pretinho da Serrinha e João Cavalcanti.

 

ROSA PASSOS

3 a 5 – SESC Belenzinho – São Paulo

Esta excelente cantora vai apresentar um show cujo repertório estará centrado em boleros e em várias pérolas do samba-canção de diversos compositores, além de canções que sempre foram presentes em sua própria carreira. Portanto, já sabe o que vai encontrar, né?

 

ELYMAR SANTOS

3 a 5 – Imperator – Rio de Janeiro

O anúncio dos shows diz que “o cantor apresentará grandes sucessos de seu repertório”. Hein??? Como é que é??? Isso só pode ser algum tipo de gozação…

 

OSWALDO MONTENEGRO

4 – Tom Brasil – São Paulo

Já vi muitos músicos ruins na vida. Ruins, muito ruins. Mas talvez seja pior ver um artista chato, que faz canções chatas, com letras chatas, que prega um discurso chato e faz arranjos chatos. Músicos ruins podem ser engraçados, mas o artista chato é apenas… chato. Ninguém personifica isso como Oswaldo Montenegro. Não importa que ele esteja estreando um novo show, batizado como Serenata. Ele sempre é capaz de fazer adormecer uma manada de rinocerontes enfurecidos, de fazer gente dormir plantando bananeiras nas cadeiras dos teatros. Deus, como isto é chato…

 

ULTRAJE A RIGOR

4 – Teatro Bradesco – São Paulo

A banda de Roger Moreira, que estava prestes a encerrar a carreira do grupo quando foi contratada para ser coadjuvante no novo programa de TV do pseudohumorista Danilo Gentili, tem em sua formação atual uma boa e azeitada máquina sonora, além de um caminhão de hits sensacionais, alto astral, gozações e transmissão de energia para a plateia de modo incontestável. Vá sem susto: é programaço!

 

JORGE BEN JOR

4 – concha acústica do Teatro Castro Alves – Salvador

Olha, a verdade precisa ser dita: se você viu um show do Benjor, viu todos. A diferença aqui é que o grão mestre do balanço está com uma banda mais enxuta e isto certamente vai trazer uma sonoridade um pouquinho diferente ao caminhão de hits que ele costuma apresentar em suas animadas apresentações. Eu, se fosse você, iria…

 

“VIVA WANDER TAFFO”

4 – SESC Belenzinho – São Paulo

O espetáculo montado para homenagear uma das figuras mais queridas do universo da guitarra no Brasil, falecida há dez anos, certamente vai emocionar os fãs que cresceram ao som da Banda Taffo, pois antigos companheiros dele – a “cozinha” rítmica dos irmãos Andria e Ivan Busic (baixista e baterista, respectivamente, hoje no Dr. Sin), o vocalista Mauricio Gasperini (ex-Rádio Táxi) e outrso músicos – estarão recriando as canções do passado e mostrando uma música até então inédita. Ideal para saudosistas…

 

CLARA SVERNER & JOÃO CARLOS ASSIS BRASIL

4 – SESC Vila Mariana – São Paulo

Dois dos maiores nomes do piano erudito nacional e com carreiras internacionais estabelecidas há décadas revivem o duo originalmente formado em 1980 para tocar, juntos e separados, um repertório formado por peças de Debussy,  Chopin,  Ravel e  Gershwin, entre outros. Para quem ama a música erudita e para quem deseja travar um primeiro contato com esse universo antigo e fascinante, esta apresentação é recomendável…

 

RATOS DE PORÃO

4 – SESC Campo Limpo – São Paulo

Uma das melhores bandas brasileiras de todos os tempos vai desfilar o seu tradicional festival de pancadaria sonora com a competência de sempre. Mais legal ainda é que os caras estão lançando mais um álbum, Século Sinistro, uma ‘desgraceira’ de chorar de tão boa. Vai se uma pancadaria indicada para ouvidos selecionados. Os amantes da sutileza devem passar longe.

 

ANGRA

4 – Opinião – Porto Alegre

É uma pena que uma das bandas de metal nacionais mais conhecidas no exterior esteja presa a uma fórmula sonora completamente caduca. Contando agora em suas fileiras com um dos vocalistas mais chatos da galáxia – o italiano Fabio Lione (ex-Rhapsody of Fire; ex-Labyrinth) -, é daquelas apresentações indicadas a quem ainda se emociona com cafonices como “Carry On” e outras bobagens. Talvez toquem na íntegra o mais recente álbum, OMNI, o que não alivia muita coisa…

 

FAGNER

4 – Espaço das Américas – São Paulo

Dono de algumas canções mais bonitas da história da música brasileira, este cearense continua na ativa e bem. Com o suporte de uma excelente banda ao seu lado, Fagner desfia canções lindíssimas com sua voz característica e repleta de poesia de primeira grandeza. Showzão!

 

FÁBIO JR.

4 – Km de Vantagens Hall – Belo Horizonte

Não adianta anunciar a estreia de um “novo show”. Da mesma forma como acontece com Roberto Carlos, Fábio Jr. também vem há muito tempo apresentando um show bastante burocrático. Mas ao contrário do “Rei”, o pai do tal de Fiuk é um roqueiro enrustido e sacana, que sabe que um pouco de espontaneidade é caminho certo para cativar ainda mais as suas fãs, que nunca cessam de gritar em suas apresentações. De uma coisa você pode ter certeza: a banda de apoio do cantor é sempre um time de primeira grandeza em termos instrumentais. Já as músicas…

 

TURMA DO PAGODE

4 – Carioca Club – São Paulo

Quem se importa com mais um dos 3.769 grupos de “pagode chifrudo” que existem por aí? Quem se importa com um grupo que só sabe cantar “lelelê”, “laialaiá” e mais um monte de letras ginasiais a respeito de dor do corno? Eu não. E você?

 

“O GRANDE ENCONTRO” com ALCEU VALENÇA, ELBA RAMALHO & GERALDO AZEVEDO

4 – Auditório Araújo Vianna – Porto Alegre

Quando três velhos parceiros de composição resolvem mostrar suas criações juntos, o resultado é um repertório com músicas belíssimas e um daqueles shows que resgatam aquilo que anda em falta na MPB hoje em dia: poesia. Boa pedida!

 

TERESA CRISTINA

4 e 5 – Theatro NET – Rio de Janeiro

Apadrinhada por Caetano Veloso, ela é uma cantora de boa voz, sem sombra de dúvidas. Se neste espetáculo ela se propôs a revisitar o repertório de Noel Rosa, a probabilidade de você encontrar uma bela e delicada apresentação ao som do violão de Carlinhos Sete Cordas é muito grande. Arrisque!

 

CÍCERO

4 e 5 – SESC Bom Retiro – São Paulo

Ele até gravou dois discos bem interessantes – Canções de Apartamento (2011) e Sábado (2013) -, mas infelizmente não consegue transpor para o palco a sutileza de suas canções, permeando tudo com arranjos quase canhestros e vocalizações mais desafinadas de um bando de cacatuas com laringite. Espero sinceramente que as coisas tenham melhorado, mas acho difícil, já que nesses shows ele vai tocar acompanhado apenas de um outro músico, mostrando as canções em um formato “voz/violão/pedais de efeitos”. Ai, ai, ai…

 

MARCELO JENECI & QUINTETO DA PARAÍBA

4 e 5 – SESC Avenida Paulista – São Paulo

MARCELO JENECI

Um dos melhores nomes da nova – e boa – safra da música brasileira, este cantor, compositor e instrumentista vai mostrar suas boas canções em um formato diferente: ao lado do cultuado quinteto que sempre primou pela mistura do mundo erudito com a riqueza da música folclórica brasileira. É uma mistura que pode dar muito certo. Vá conferir…

 

GUINGA E MÔNICA SALMASO

5 – Auditório Ibirapuera – São Paulo

Um dos grandes mestres do violão brasileiro, o carioca Guinga certamente vai oferecer o de sempre: um espetáculo elegante e riquíssimo em lindas harmonias e melodias. Centrando o foco em suas parcerias Aldir Blanc, Paulo César Pinheiro e Chico Buarque, entre outros, ele escolheu gente do melhor calibre para a empreitada: a extraordinária cantora Mônica Salmaso e dois instrumentistas de primeira linha, que são o clarinetista Proveta e o saxofonista/flautista Teco Cardoso. Pode apostar que será uma apresentação “classuda” e surpreendente…

 

MOLHO NEGRO

5 – SESC Interlagos – São Paulo

Uma das melhores bandas da nova safra do rock brasileiro, o grupo paraense sabe injetar boas sacadas e até mesmo algum humor dentro do seu som stoner sujo e pesado. Mostrando um repertório bem legal – centrado no mais recente álbum, Não é Nada Disso que Você Pensou, lançado no ano passado -, os caras propiciam uma ótima pedida para quem pensa que a música brasileira não é mais capaz de oferecer bons nomes do gênero.

YAMANDU COSTA & RICARDO HERZ

5 – SESC Pinheiros – São Paulo

O virtuosístico e adrenalizado violonista vai mostrar as composições que gravou ao lado do violinista no álbum batizado com o nome dos envolvidos. Vale para curiosidade dos arranjos, mas torça para que Yamandu tenha melhorado a sua técnica, deixando para trás os tempos em que todo mundo fingia ignorar a avalanche de notas trastejadas que o cara mostrava em suas apresentações.

 

ANDRÉ MEHMARI & YOTAM SILBERSTEIN

7 e 8 – JazzB – São Paulo

Este ótimo pianista, arranjador, compositor e multiinstrumentista vai se apresentar ao lado do guitarrista israelense que já fez parcerias com o cultuado pianista Monty Alexander e já participou de discos do saxofonista David Sanborn com o baixista Marcus Miller e do também baixista John Patitucci. Ambos mostrarão um repertório de composições próprias e alguns temas que enveredam pelo universo do samba e do chorinho. Pode ir sem susto!

 

SIMONE & SIMARIA

9 – Espaço das Américas – São Paulo

Duas irmãs que não sabem cantar tentando enganar plateias imbecilizadas com coreografias patéticas, músicas cretinas e roupas justíssimas para exibir seus belos corpos… É o puro retrato da “música popularesca brasileira”, que apela para os mais sórdidos clichês para provocar inveja/admiração em meninas sem cérebros e saciar a salivação dos punheteiros de plantão. Tristes tempos…

 

MUNDO LIVRE S/A

9 e 10 – SESC Pompéia – São Paulo

Há três décadas este grupo pernambucano tenta, tenta e não consegue cativar mais do que meia dúzia de fãs com pouco discernimento musical. Talvez as chatíssimas canções, aliadas aos vocais desafinadíssimos do líder Fred 04, tenham a ver com isto. Isto sem contar o total desequilíbrio entre o excesso de pretensão e as condições de transformar isto em boas músicas. É um sonzinho fuleiro, mas no pior sentido do termo, que não melhorou em nada com o lançamento recente de mais um fraco álbum, A Dança dos Não Famosos. Vá por sua conta e risco…

4 respostas

  1. Nossa !! Comprei o CD do Autoramas essa semana ( por sinal, muito bom), e vem o Régis me dar a boa notícia de um show deles !! Valeu , Régis !! Em tempo : Esse ADORE DELANO parece aqueles travestis da baixa Augusta que não tem dinheiro para colocara silicone, e injetam cimento com cola de borracheiro…….

  2. ” Saciar a salivação dos punheteiros de plantão ” ….Régis resumindo em oucas palavras o que ´´e o ” freakshow ” da SIMONE & SIMARIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress