“É Show ou é Fria”: 8 a 14/2

ROUPA NOVA

8 – Espaço das Américas – São Paulo

Meus olhos não mentem: no cartaz está escrito “Novo Show”!!! Hein? Como é que é? O repertório será completamente diferente? A direção do espetáculo não será a mesma dos últimos 243 anos de estrada da banda?  Só algo do tipo pode justificar o ““novo show” no anúncio. Desconfio que eles devem, quando muito, apresentar alguma coisa relacionada ao DVD Todo Amor Do Mundo, que foi lançado em 2016. Sinceramente, duvido que eles deixarão de tocar os seus velhos e surrados hits, muito menos que irão abdicar de porcarias como “Dona” e “Whisky a Go Go”. Duvido! Pago para ver!

 

JORGE VERCILLO

8 – Carioca Club – São Paulo

O maior imitador de Djavan da América Latina tem uma carreira que incrivelmente já dura duas décadas – o que só mostra como tem gente sem critério na hora de ouvir música – com todas aquelas canções para “pentear os ouvidos” dos mais incautos, tudo adocicado com letras que mais parecem “poesia de escada de faculdade” e arranjos que não oferecem o menor sinal de ousadia e criatividade. É um daqueles shows ideais para se assistir bebericando uísque falsificado e comendo uma porção de provolone à milanesa com data de validade vencida…

 

VANESSA DA MATA

8 – Circo Voador – Rio de Janeiro

Taí um daqueles shows que deixam todo mundo com sorriso no rosto e com vontade de cantar as músicas. Esqueça bobagens como “Ai Ai Ai”. Há uma delicadeza brejeira na voz de Vanessa que funciona perfeitamente dentro de suas canções. Suas apresentações são sempre corretas, com banda afiada e direção segura. É uma boa pedida para quem quer impressionar a(o) parceira(o) recém-conquistada(o), principalmente porque neste show ela vai o resultado de seu mais recente trabalho, o CD/DVD Caixinha de Música, gravado ao vivo em São Paulo.

 

MANEVA e FALAMANSA

8 – Fundição Progresso – Rio de Janeiro
O Maneva é mais uma das provas vivas de que o reggae no Brasil é tratado como se fosse um ritmo em que é permitido fazer um som totalmente asséptico, sem um pingo de rusticidade sônica, com letras tão poéticas quanto a bula de um remédio, perfeito para embalar romances de casais de namorados que não vêem a hora de abrir um crediário para começar a comprar as tralhas que vão equipar o apartamento em que irão morar assim que saírem das casas de seus respectivos pais. E ainda tem gente que fica brava quando digo/escrevo que o reggae brasileiro é uma piada muito sem graça. Já o Falamansa é apenas a união entre um veterano sanfoneiro razoável com garotos bonitinhos que não sabem nada de forró , resultando em músicas horríveis. Um evento reunindo essas duas turmas, para mim, é apenas um grande pesadelo musical. Nada além disso…

 

LUPA SANTIAGO QUARTETO

8 – JazzB – São Paulo

Excelente guitarrista, Lupa Santiago faz uma interessante ponte unindo o jazz e a MPB instrumental e é exatamente isto que ele costuma apresentar com maestria em seus shows. A “cancha” que adquiriu por ter tocado muito no exterior e ao lado de grandes nomes como Dave Liebman e até mesmo Hermeto Pascoal dão o devido gabarito à sua performance, sempre ao lado de um grande grupo de apoio. Pode ir sem susto…

 

LABIRINTO

8 – SESC Belenzinho – São Paulo

Desconcertante. Este é o termo exato que define com exatidão o estado das pessoas que tomam contato pela primeira vez com o som deste grupo. A atmosfera musical elaborada por esta turma, cheia de efeitos etéreos e por vezes amedrontadores, sugere uma paisagem sonora que pode ser a trilha sonora de um filme, de um passeio pela encosta de um vulcão prestes a entrar em erupção ou do próprio fim do mundo. O evento marca o lançamento de um novo álbum, Divino Afflante Spiritu. De uma coisa você pode ter certeza: quem assiste ao show do grupo sai diferente do teatro.

 

TUATHA DE DANANN

8 – SESC Belenzinho – São Paulo

Com um repertório montado especialmente para uma abordagem acústica, o show é um bom evento para você tomar contato com uma banda de metal que sempre coloca elementos da folk music de origem celta em suas composições, com resultados irregulares. Caso seus integrantes estejam em um bom dia, vão rolar poucas desafinações nos vocais. Torça para que isso aconteça…

 

LÉO JAIME & LEONI

8 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

O show ironicamente batizado como “Leoni & Leonardo” traz dois velhos parceiros se reunindo para mostrar canções de seus respectivos repertórios, o que pode ser perfeito para quem é saudosista do chamado “rock dos anos 80”. É outra daquelas apresentações do tipo “vá por sua conta e risco”…

 

EKTOMORF

8 – SESC Pompéia – São Paulo

9 – Hocus Pocus Stúdio & Café São José dos Campos (SP)

O grupo húngaro nunca conseguiu atingir alguns dos mais altos patamares do thrash metal mundial, o que para mim sempre um a injustiça, pois o som do quarteto é uma paulada de primeira categoria, muito influenciado pelo Sepultura, diga-se de passagem. Divulgando seu mais recente álbum, o bom Fury (de 2018), os caras vão fazer um show matador. Pode apostar! Ah, a banda carioca de death metal Lacerated and Carbonized fará as aberturas…

 

ANA CAÑAS

8 a 10 – SESC 24 de Maio – São Paulo

Outra boa representante da nova safra de cantoras brasileiras, Ana tem a seu favor um belo timbre de voz e uma postura até certo ponto ousada em termos musicais quando comparada com suas colegas contemporâneas. Isto faz com que seus shows sejam sempre surpreendentes – e no bom sentido. Vale a pena sacar o que ela vai aprontar no lançamento de seu mais recente álbum, Todxs. Outro show que vale uma espiada atenta…

 

GILBERTO GIL

8 a 10 – Teatro Castro Alves – Salvador

Quando resolve fazer o som que realmente gosta, tocando músicas bacanas independentemente do formato que apresente, Gil tem a manha de ainda fazer um show bastante interessante. No caso aqui, ele vai mostrar algumas das canções de seu bom e mais recente disco, OK OK OK, lançado há alguns meses, e obviamente não faltarão ótimas músicas do passado. Torça apenas para que ele esteja com a voz em dia, sem estar propenso a afinações indesejadas…

 

ELBA RAMALHO

8 a 10 – SESC Pinheiros – São Paulo

Ela agora apresenta um novo show para promover seu mais recente trabalho, o álbum O Ouro do Pó da Estrada. Embora mostre que ainda é uma artista capaz de contagiar a plateia, Deus queira que ela continue a deixar para trás os tempos em que sua voz lembrava uma gralha com laringite…

 

CAMISA DE VÊNUS, GOLPE DE ESTADO, BARANGA e RONALDO & OS IMPEDIDOS

9 – Carioca Club – São Paulo

Antes de qualquer coisa, é preciso encarar esse evento com a real dimensão que ele tem: uma divertida festa de rock. A principal atração é a banda de Marcelo Nova lançando um novo CD/DVD ao vivo da maneira que melhor representa a sua força, ou seja, em cima do palco. Se você não se incomoda com o fato de a banda ter apenas um outro integrante original – o baixista Robério Santana – ao lado de músicos contratados, então vai se divertir com um monte de hits. Antecedendo o “prato principal”, a diversão fica ainda mais garantida com os shows sempre descabelantes do Golpe de Estado e do Baranga. Já o Ronaldo & Os Impedidos, liderado pelo ex-goleiro corintiano Ronaldo Giovanelli, é apenas um aperitivo galhofeiro. Resumindo:  noite divertida à vista!

 

PROJOTA

9 – Carioca Club – São Paulo

Dentro da cena atual do hip hop nacional, ele faz um trabalho bastante digno e bem elaborado, passando longe da rusticidade sonora de alguns de seus pares. Torça para que nesse show ele conte com uma banda ao lado de seu DJ, pois assim a coisa toda vai soar de modo mais intenso e pesado. Vale a pena dar uma espiada…

 

PARALAMAS DO SUCESSO e SKANK

9 – Km de Vantagens Hall – Rio de Janeiro

O que mais pode ser dito a respeito de uma apresentação dos Paralamas? Excelência técnica, performances arrebatadoras, toneladas de canções antológicas, sinergia entre banda e plateia, exemplo vivo da força de viver de um cara que poderia ter se conformado com sua tragédia pessoal, mas que preferiu lutar contra isso em cima de um palco, junto com seus “irmãos”. E ver João Barone tocando bateria é presenciar um workshop rítmico como bônus. Do lado do Skank, você tem canções bacanas, instrumentistas competentes, astral animado e simpatia espontânea. São exatamente estas características que sempre estão presentes em qualquer show do grupo mineiro. É inegável que você vai passar o tempo com um sorriso estampado no rosto. Vá e divirta-se!

 

ANDRÉ ABUJAMRA & A ARCA DE NÓE

9 – SESC Consolação – São Paulo

O álbum A Arca de Noé foi inteiramente composto por Vinícius de Moraes e se tornou um clássico infantil indiscutível dos anos 80. Por isso, a iniciativa do cantor multiinstrumentista em mostrar para as crianças dos dias de hoje que não é preciso conviver obrigatoriamente com funks abjetos que rondam o cotidiano delas é absolutamente louvável. Cabe aos pais se tornarem “cúmplices” dessa empreitada cultural e eles mesmo se conscientizarem de que ainda há salvação para a gurizada. Faça a sua parte!

 

FILIPE CATTO

9 – SESC Santo Amaro – São Paulo

Fico impressionado com as irregularidades de toda uma geração de ‘artistas’ incensados muito mais por seus posicionamentos ‘lacradores’ do que pela qualidade da música em si. É o caso desse cidadão, cuja voz é tão chata que faz qualquer pessoa assinar um documento em branco com a promessa de a audição de seus ‘gorgeios’ sejam imediatamente interrompidos. Para piorar, ela está sempre a serviço de canções cuja importância histórica no futuro será a mesma de um prato de alpiste mofado. Fuja desse show!

 

ZÉ RAMALHO

9 – Tom Brasil – São Paulo

Se existe um artista brasileiro com um repertório acima de qualquer suspeita na hora de montar um show, este é Zé Ramalho. Principalmente porque ele não é daqueles que deita nos louros do passado e está sempre compondo novas e instigantes canções. Pode apostar que o show será bem legal, com toneladas de hits e qualidade sonora impecável.

 

OSWALDO MONTENEGRO & RENATO TEIXEIRA

9 – Vivo Rio – Rio de Janeiro

Não tenho a menor ideia do que pode resultar o encontro entre dois nomes tão díspares em termos de qualidade musical. Tomara que o brilhantismo de Renato não seja contaminado pela chatice estratosférica e ‘pseudocabeça’ de Montenegro. É o mínimo que posso desejar a quem se aventurar a presenciar tal encontro.

 

OLIVIA HIME

9 – Teatro Rival Petrobrás – Rio de Janeiro

Nomes importantíssimos da Música Brasileira (sim, com maiúsculas mesmo), a cantora leva aos palcos agora um show centrado no repertório de Edu Lobo, Dori Caymmi e Francis Hime, com a participação especial deste último. Se você está a fim de ver um show classudo esta semana, pode apostar suas fichas nele.

 

NÁ OZZETTI

9 e 10 – SESC Pompéia – São Paulo

Muito distante do estereótipo “cantora gostosona de voz grossa” que impera nos dias de hoje, ela se tornou uma das mais subestimadas artistas das últimas décadas justamente por não se render aos fáceis apelos do comercialismo. Nessa apresentação ela vai repassar canções de sua carreira que já dura quatro décadas e entremear cada uma delas com pequenos contos, o que certamente dará uma atmosfera um pouco mais teatral ao show. É uma boa pedida para quem quer ouvir MPB de alto nível.

 

EGBERTO GISMONTI

10 – Bourbon Street – São Paulo

Assim como acontece com Hermeto Pascoal, as apresentações de Egberto não podem ser perdidas de maneira alguma, não importando o repertório que ele venha a apresentar. Sozinho no palco, alternado o violão e o piano, você vai entender por que ele é um dos mais aclamados artistas brasileiros no cenário internacional. Não deixe de ver!

 

NUNO MINDELIS

13 – Bourbon Street – São Paulo

Um dos maiores representantes do blues da América do Sul é angolano de nascimento e brasileiro de coração, toca muito, é um compositor de mão cheia e, sabe-se lá por qual motivo, desenvolve uma carreira — internacional, inclusive – muito aquém de seu talento. Se você é daqueles que despreza a linguagem nacional para gêneros estrangeiros, sugiro comparecer a este show e dar o braço a torcer para o som deste excelente guitarrista. Ótima pedida!

 

ED SHEERAN

13 e 14 – Allianz Parque – São Paulo

Esqueça o hype baba-ovos em cima do moleque ruivo inglês. O som do cara é legal em disco e é bacana de presenciar ao vivo. Pena que a plateia será formada em quase sua totalidade por meninas retardadas, que pensam no cara como um novo ídolo teen. Tente prestar atenção ao som e surpreenda-se.

 

ELLEN OLÉRIA

14 – SESC 24 de Maio – São Paulo

Uma das cantoras mais incríveis e criminosamente subestimadas dos últimos tempos no Brasil, ela agora promete usar suas raízes jazz/funk/samba/hip hop para abordar o repertório da… Beyoncé! Tomara que ela consiga fazer isso com energia e balanço, com arranjos pessoais e impactantes. Caso contrário, o que poderia ser legal pode soar constrangedor…

 

STONE TEMPLE PILOTS e BUSH

14 – Credicard Hall – São Paulo

Não foram poucas as pessoas que cravaram o fim da banda depois da morte melancólica do vocalista Scott Weiland. Todas estavam enganadas, pois seus integrantes recrutaram um novo vocalista, Jeff Gutt, descoberto em uma das edições do programa The X Factor, e com ele gravaram um disco muito bom, lançado no ano passado e batizado com o nome da banda. Se o sujeito mandar bem ao vivo, perigas você assistir a uma ótima apresentação dos caras, que são bons músicos e tem um repertório recheado de ótimas canções. Na abertura vai rolar o show de uma das bandas mais insuportáveis de todos os tempos, o Bush, que voltou à ativa em 2010 sem ninguém pedir e desembarca no Brasil com seu insuportável vocalista metido a galã, Gavin Rossdale. Será uma noite “roleta-russa”!

 

 

 

2019-02-08T11:14:20+00:00

25 Comments

  1. Marcos Tavares 8 de fevereiro de 2019 at 11:26 - Reply

    Caramba…….Finalmente as críticas mudaram e saíram do Crtl +C /Crtl +V, com algumas exceções .Até deu vontade de assistir o show do STONE TEMPLE PILOTS. Continue assim.

  2. Elielson 8 de fevereiro de 2019 at 12:25 - Reply

    Cara,Eu amo demais essa parte do seu trabalho “É show ou é fria” todos deveriam leem sempre. Claro,sou fã demais seu. Abração, Carneiros-Al.sr

    • Regis Tadeu 8 de fevereiro de 2019 at 13:04 - Reply

      Obrigado, Elielson. Abraço!

  3. Marcos Tavares 8 de fevereiro de 2019 at 13:44 - Reply

    Régis, eu fiz você evoluir como profissional , ao pedir que escrevesse coisas novas, estimulando este excelente escritor que vive dentro de você. . Não mereço um “muito obrigado” de sua parte ?

    • Regis Tadeu 8 de fevereiro de 2019 at 14:03 - Reply

      Não. Você é apenas um idiota. Inofensivo e divertido, capaz de escrever algo como ” eu fiz você evoluir como profissional”. Continue a me acompanhar por aqui.

      • Marcos Tavares 8 de fevereiro de 2019 at 15:48 - Reply

        Vou continuar a acompanhá-lo, pois gosto de você. Agradeço o elogio que me fez quando escreveu “divertido”. Realmente, sou um rapaz faceiro, garboso e janota. Mesmo que você não me agradeça, sei que te fiz sair da zona de conforto, e fiz aquele bom escritor que vive dentro de você despertar novamente . E também sei que por dentro você está grato e dando boas risadas ao ler isso . Não sou idiota, minha mãe mandou me examinar quando era criança (apesar que acho que está na hora de um novo Check-up). Abraços !!!!

        • Joseph 9 de fevereiro de 2019 at 00:41 - Reply

          Esse Marcos é meio idiota mesmo…

          • Marcos Tavares 9 de fevereiro de 2019 at 14:36

            não sou meio. sou inteiro

  4. Állan Wesley 9 de fevereiro de 2019 at 01:52 - Reply

    Recomendando Ed Sheeran, por essa eu não esperava.

    • Regis Tadeu 9 de fevereiro de 2019 at 10:46 - Reply

      Ouça os discos dele SEM PRECONCEITO e aí você entenderá…

      • Állan Wesley 12 de fevereiro de 2019 at 00:50 - Reply

        Peça para o seu webmaster configurar pra gente receber e-mail quando você responder.

  5. Diogenes 9 de fevereiro de 2019 at 11:53 - Reply

    Régis, vi o Gil ontem e para alegria geral e para quem interessar, ele está simplesmente com a voz tinindo! Na última tour que ele fez com Gal e Nando Reis, ainda estava um pouco rouco, mas agora está com a garganta em plena forma. Aproveitem. Abs

  6. Eduardo Lima 9 de fevereiro de 2019 at 15:05 - Reply

    Regis, boa tarde!

    Permita-me fazer uma correção que ocorreu no jogo do banquinho do Raul Gil. A pergunta era: o que vende na ultrafarma com a letra A. A participante disse Água Inglesa, e você não aceitou, dizendo que ela só iria encontrar numa farmácia da Inglaterra…
    Não sei se você se confundiu, ou se não sabe, mas Água Inglesa “é um tônico fitoterápico que serve para ajudar na digestão e estimular o apetite”, e portanto, vende sim em farmácias.

    No mais, obrigado pelas dicas de shows dessa semana…

    • Regis Tadeu 9 de fevereiro de 2019 at 22:38 - Reply

      Boa noite, Eduardo.
      Fiz uma brincadeira, obviamente. Não aceitei porque “Água Inglesa” é considerada como “marca de produto” (patenteada) e isso não é aceito no programa. São as regras estabelecidas pela produção…
      Abraço e obrigado pela audiência.

    • Marcos Tavares 10 de fevereiro de 2019 at 13:15 - Reply

      Cara….ainda tem gente que assiste Raul Gil ??

      • Regis Tadeu 10 de fevereiro de 2019 at 13:22 - Reply

        Para seu desgosto, sim.
        HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!

      • Eduardo Lima 11 de fevereiro de 2019 at 21:01 - Reply

        Marcos, boa noite.

        Aonde foi que eu disse que eu assisto ao programa do Raul Gil? Eu assisto ao quadro do banquinho, somente.

  7. Guilherme 10 de fevereiro de 2019 at 17:41 - Reply

    É estranho você detonar essas musicas popularescas, como sertanejo e funk e fazer parte de um programa e canal com essas características…

    • Regis Tadeu 11 de fevereiro de 2019 at 09:41 - Reply

      Nada a ver. Se você assistisse ao programa, saberia que eu detono essa turma o tempo inteiro durante a minha participação por lá. E outra coisa: sou profissional e não preciso fingir para trabalhar por lá.
      Que comentário idiota da sua parte…

      • Sergio Sakamoto 11 de fevereiro de 2019 at 10:13 - Reply

        O negócio é que ninguém que tem mais de 2 neurônios assiste esses programas…..

        • Regis Tadeu 11 de fevereiro de 2019 at 11:10 - Reply

          Para ter essa opinião, então você assiste ao programa, certo?

          • Sergio Sakamoto 11 de fevereiro de 2019 at 14:38

            não assisto, mas vejo minha avó que sofre de demência assistindo e me pergunto: ” Será que foi esse tipo de programa que fez isso com ela? ” . Estamos na era da internet.Esse tipo de programa já era e vc sabe disso. Só tem audiência com os velinhos que não sabem usar o computador.

  8. Sergio Sakamoto 10 de fevereiro de 2019 at 20:12 - Reply

    Nenhum programa da tv aberta presta. Nem Faustão, nem Raul Gil, nem Silvio Santos. Fórmulas ultrapassadas que não prendem a atenção do público.

  9. Walter 12 de fevereiro de 2019 at 08:41 - Reply

    Regis, bom dia,

    Sou seu leitor assíduo e tenho notado que o Rio de Janeiro tem ficado com cada vez mais frequência fora do roteiro dos melhores shows. Você concorda? Se sim, a que atribui isso?
    Obrigado.

    • Regis Tadeu 12 de fevereiro de 2019 at 09:29 - Reply

      Bom dia, Walter.
      AS razões são: violência e falta de dinheiro.

Deixe um Comentário