Melody – Para Que Serve?

Em mais um episódio desta série campeã de audiência em meu canal, gostaria de falar sobre a chamada Melody, uma pseudo cantora e pseudo artista que tem sido erotizada desde criança. Antes de tudo, devo dizer que sou totalmente contra qualquer tipo de erotização infantil ou juvenil. Essa estratégia sexualizada é tão repugnante quanto o nazifascismo, e é lamentável que o mercado brasileiro de música popularesca, representado pelos piores consumidores de música, celebre uma pseudo artista como essa menina.

Além disso, tudo o que acontece com Melody é organizado por seu próprio pai, o que é extremamente preocupante. Não estou tentando ser politicamente correto, mas a sensualidade precoce dessa menina não pode justificar o apoio a essa estratégia aberrante. Lembro-me claramente das Paquitas, aquelas meninas loiras de shortinhos curtíssimos que acompanhavam a Xuxa. Era um conceito estético feito especificamente para atrair a atenção de homens mais velhos babando por ninfetas inacessíveis para seus desejos mais sórdidos. A mesma coisa está acontecendo com Melody, uma menina de 16 ou 17 anos exposta para esse mesmo tipo de mercado.

Além disso, quando essa menina abre a boca para falar, a arrogância é descabida. Sua empáfia precoce é totalmente desrespeitosa com quem tem um mínimo de bondade na alma. Assisti a várias entrevistas com ela, mas confesso que não consegui chegar ao final de nenhuma delas. Com relação às aberrações que ela, o pai dela e os fãs desmiolados chamam de música, não há o que comentar em termos positivos. A voz dela é desafinada como a cabeça decapitada de um corvo e sempre soa robótica devido à quantidade de Autotune e Melodyne colocados em estúdio para disfarçar a desafinação.

Para saber o Para Que Serve a Melody, clique no botão abaixo e assista o vídeo completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress