A convite do SESC Florêncio de Abreu, entrevistei o líder do Karnak, a metade do duo Os Mulheres Negras e aquele que é dono de uma carreira solo que jamais soa como o trabalho de alguém acomodado em termos musicais. Embora eu não goste muito de suas concepções musicais, tomei contato pessoal com ele pela primeira vez e a impressão foi a melhor possível: ele é um sujeito muito gente fina, que respira música 24 horas por dia e tem uma abordagem sonora tão eclética quando surpreendente.

Comprove tudo isso na entrevista que você pode assistir abaixo, um bate-papo que foi transmitido ao vivo pelo canal experimental de streaming na quarta-feira passada no Espaço de Tecnologias e Artes (ETA) do SESC Florêncio de Abreu, aqui em São Paulo, dentro da série “Musicast”, no qual o público presente ao local também acompanhou todo o processo de uma transmissão online com recursos de fácil acesso. Durante uma hora, eu e André conversamos a respeito de sua carreira como compositor e multiinstrumentista. Preste atenção à espontaneidade da conversa, sem qualquer pauta pré-agendada ou combinada, a ponto de presenciarmos a engraçadíssima entrada dele na transmissão, esbaforido e preocupado com o seu atraso, interrompendo a explicação do evento por parte do produtor Kao Tokio:

https://www.youtube.com/watch?v=ZWzE8fqW7KM