Quando Chitãozinho & Xororó marcaram um “golaço”!

Chitãozinho e Xororó

Jamais tive algum prazer quando me empenhei a ouvir os discos de Chitãozinho & Xororó. Mesmo quando comecei a ter um tímido interessante pela música sertaneja, minhas atenções sempre se voltaram para duplas que tinham um apelo instrumental e poético mais rústico e genuíno, como Pena Branca & Xavantinho, Ronaldo Viola & João Carvalho e tantas outras duplas mais “roots”. Ao mesmo tempo, não dá para negar que a trajetória dos dois irmãos é um capítulo bem interessante da música brasileira desde que a dupla lançou seu primeiro álbum, Galopeira, em 1970. “Interessante” no sentido de entender o que levou a dupla – e quase todos os seus colegas contemporâneos – a abandonar as raízes verdadeiramente sertanejas e adentrar a um universo romântico piegas, primário e sem qualquer traço poético.

Foi quando suas canções deixaram de retratar a nobreza poética da vida no campo e tentaram acompanhar o romantismo débil mental que se instalou no Brasil a partir do momento em que o governo Collor passou a usar os artistas em proveito próprio em termos de marketing com as famosas “serestas na Casa da Dinda”. É triste, mas a tragédia poderia ter sido evitada se as pessoas começassem a perceber o processo de emburrecimento coletivo que se instalou no Brasil a partir dos anos 80 e que certamente afetou a maneira de se ouvir e, principalmente, entender a poesia que sempre marcou a música brasileira.

Fiz questão de escrever isso para que você entenda bem qual foi o grau de minha positiva surpresa quando ouvi pela primeira vez o álbum Tom do Sertão, no qual a dupla abordou apenas canções de Tom Jobim e até recriou uma foto de Tom e Vinícius de Moraes à beira de um riacho, como você pode ver abaixo:

Tom & Vinicius

 

Hoje, não apenas tenho que admitir que os irmãos finalmente haviam mandado muito bem, mas também que mesmo anos depois de seu lançamento original, em 2015, o disco em questão não perdeu nada de seu surpreendente brilho.

Reouvi o disco hoje pela manhã e mantenho a mesma opinião que tive anos atrás: como se fossem páginas de um livro de memórias, a dupla conseguiu a proeza de trazer cada canção do maestro para o interior de seu universo mais rústico e verdadeiro em relação às suas influências, sempre mantendo uma atitude respeitosa em relação às harmonias e melodias originais, mas ousando na abordagem sonora. Os dois irmãos acabaram por (re)elaborar um tipo de som que resgata aquilo que tivemos que denominar como “música sertaneja de raiz” para diferenciá-la destes embustes descerebrados protagonizados por duplas e pseudoartistas que nunca montaram em um cavalo na vida. A bem vinda energia injetada em “Águas de Março” é o melhor exemplo para surpreender você logo de cara:

 

Sempre tive especial apreço por quem mexe em canções dos outros desta forma mais “personalista”, mas não deixei de me espantar com a ousadia de transformar “Chega de Saudade” – uma das mais famosas parcerias entre Jobim e Vinícius de Moraes – em um country rock brejeiro acentuado por um alegre banjo. Ou em trazer “Chovendo na Roseira” para uma sonoridade típica do rock rural que se fazia nos anos 70, um dos pontos altos deste álbum.

 

 

Outros ótimos acertos foram a delicadeza rural incutida em “Caminho de Pedra”, “Modinha” e “Estrada Branca”, e a imagem bucólica e pastoral que permeia “A Chuva Caiu” e “Correnteza”. Há até uma surpreendente tensão na abordagem de “Eu Sei que Vou Te Amar”.

 

 

 

Em algumas passagens do disco é possível vislumbrar alguns equívocos, como o a profusão de desnecessários vibratos na voz de Xororó e o excessivo polimento dado à produção acabou diminuindo o impacto de alguns novos arranjos, como a excessiva presença orquestral em “Se é Por Falta de Adeus”, mas nada que atrapalhe as minhas considerações finais a respeito do disco que continua uma ótima surpresa!

19 respostas

      1. Sim, achei engraçado. Não vou te explicar nada, pois o texto e os envolvidos neste “maravilhoso” disco já são auto-explicativos.

          1. Se vc não estivesse interessado, não pediria para mim explicar. Sua lógica vai contra seu argumento .

          2. Sou um cara educado e dou atenção a todos que escrevem aqui, até mesmo aqueles burraldos que escrevem “para mim (SIC) explicar”. Com exceção de você, a partir de agora…

        1. Surpresa mesmo.
          É a prova de duas coisas:
          1 – Que ainda há esperança para que bons discos sejam lançados
          2 – Que os bons artistas nunca perdem a majestade, mas que se perdem no caminho por motivos diversos.

      2. Coitado do Paulo Moura. Ele acha que não existe música sertaneja de qualidade. Nunca deve ter ouvido falar em Almir Sater, Renato Teixeira (Gênio com G maiúsculo) etc

        1. Quem disse que não existe música sertaneja de qualidade ? Eu mesmo gosto de Almir Sater e Renato Teixeira…..Agora bater palma pra Chitãozinho e Xororó….Me desculpa….

  1. Destaque também para o trocadilho no nome do disco, que usa a palavra Tom referindo-se ao próprio Tom Jobim e a um tom musical do sertão. Boa jogada.

  2. Interessantíssima essa análise. Realmente, é um bom trabalho esse, acredito que eles estejam um pouco além dos “filhos e agregados de Francisco”, legal você ter abordado esse disco, vale a pena uma escutada. Só deixar o preconceito de lado, aqui a coisa não tem nada a ver com “beber na balada pra pegar as mina”. Valeu Regis !

  3. Régis, só um adendo: é interessante analisar essa mudança do perfil da música sertaneja entre o fim dos anos 1970 e o começo dos anos 1990 em termos da mudança do perfil demográfico da população brasileira. Foi justamente a época em que houve grande êxodo rural, com as grandes cidades recebendo os migrantes do campo. Com isso, o apelo pela poesia rural foi diminuindo. Mas, no mais, um ótimo texto!

  4. Régis, um dia você poderia fazer um texto sobre esta época do início do “Emburrecimento Coletivo’ do final dos anos 1980 e começo dos anos 1990, da época Sarney-Collor, da ascensão deste pseudo-sertanejo, do pagode xexelento e demais bregas-românticos e que foi tb de uma certa decadência do rock e da MPB…
    Sobre o disco da dupla, não conhecia, vou dar uma olhada, como sou do interior, conheço boa parte do trabalho do Chitãozinho e Xororó, principalmente as músicas mais antigas!!!!
    Abraços e parabéns pelo site e pelo canal do Youtube!!!

  5. olá régis!sempre curti ler comentários de criticos…..falando sobre musica .comprava direto revistas como,bizz,trip,…etc…gostaria que falasse sobre á extinta banda kid abelha , e a carreira solo da estonteante paula toller…obrigado.

  6. Gostei do texto, bem alinhado. Como morador da cidade do Rio de Janeiro, na década de 80 e 90, era raro ouvir nas rádios daqui “música sertaneja”( inclusive o chamado raiz!) até pelo apelo que samba, o partido alto, e o pagode tinham e ainda tem na cidade e no estado. Sinceramente, no máximo de madrugada em alguma rádio AM, seria possível ouvir “música sertaneja”. Justamente nesse período que você mencionou, ocorreu uma avalanche de música sertaneja nas rádios do Rio, algo irritante mesmo.

  7. Nossa eu tentei rsrs ouvir com boa vontade,mas a voz do Xororó estraga tudo. Acho que eu peguei um ranço tão grande desse jeito dele cantar que não consigo rsrs…
    Começo ouvir e sua voz me traz a lembrança de um monte de músicas horríveis que eles gravaram por décadas. Como fantasmas para muar minha boa vontade rsrs.
    A idéia é boa, louvável. Um esforço de independência artística corajosa e digno de nota.Mas eu simplesmente não rsrs consigo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress