Reginaldo Rossi – Que Cara de Pau…

Como cantor e compositor, o pernambucano Reginaldo Rossi tinha uma autenticidade admirável, uma verdadeira “cara de pau” no melhor sentido da expressão. Se estivesse vivo, ele teria celebrado seus 80 anos em 2023, mas infelizmente nos deixou há 10 anos, vítima de um câncer de pulmão. No entanto, o que quero discutir não é sobre sua partida, mas sim sobre seu legado no universo pop brasileiro.

Reginaldo Rossi foi, para muitos, o representante máximo daquilo que, pejorativamente falando, era chamado de “brega”. Nesse sentido, ele dividiu a coroa de majestade desse estilo com Amado Batista. Sua trajetória no panteão do “brega” foi única, sendo um ícone incontestável da musicalidade popularesca brasileira. Ao longo das décadas, construiu uma carreira que transcendeu gerações, cativando um público fiel que se identificou com suas canções, que retratavam os dramas e alegrias do cotidiano amoroso do brasileiro comum.

Reginaldo Rossi era irreverente, escrachado, vaidoso e autêntico. Liderou uma espécie de agremiação carnavalesca da “dor de corno”, reunindo cantores e cantoras da música “brega”. Essa influência ainda pode ser encontrada hoje nas chamadas “pisadinhas” e no forró contemporâneo, embora muitas vezes ridicularizadas por intelectuais.

A vasta discografia de Reginaldo Rossi trazia pequenos hinos das dores proporcionadas por amores problemáticos, conhecidas popularmente como “dor de corno”. Após os anos 80, suas músicas adquiriram uma abordagem mais despudorada, fazendo a alegria do público e, ao mesmo tempo, sendo alvo de ridicularização por parte dos intelectuais.

As canções de Reginaldo Rossi, muitas vezes ouvidas clandestinamente por aqueles que não queriam admitir sua apreciação, são parte integrante da história da música brasileira. Seu legado é inegável, e mesmo que alguns as classifiquem como “bregas”, sua autenticidade e impacto cultural são incontestáveis. Para uma viagem nostálgica e informativa sobre Reginaldo Rossi, clique no botão abaixo e assista ao vídeo completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress