Torrando Dinheiro Público

Em um cenário brasileiro em que as prioridades se encontram totalmente deturpadas e os valores éticos e morais estão completamente distorcidos, é um verdadeiro absurdo ainda testemunhar prefeituras despejando verbas astronômicas em shows de artistas famosos, enquanto a população dessas mesmas prefeituras é negligenciada em suas necessidades básicas de saúde e educação. Isso, mais uma vez, é o retrato grotesco da inversão de valores que assola nossa sociedade.

Recentemente, li a notícia de que a Justiça da Bahia determinou a anulação de um contrato de um show do Gusttavo Lima em uma cidade chamada Campo Alegre de Lourdes. O juiz tomou essa decisão depois que uma ação civil pública foi movida pelo Ministério Público Estadual. O show estava agendado para o dia 9 de fevereiro, em comemoração à Padroeira do município. Na decisão, o juiz afirmou que o dinheiro destinado ao cachê do Gusttavo Lima, acredite se quiser, era de R$1.300.000, o que representava um gasto superior ao orçamento de toda a secretaria municipal de cultura da cidade. Estão certíssimos todos os envolvidos no cancelamento desse absurdo.

Uma das coisas mais infames dessa história é que esse contrato foi assinado em 31 de outubro do ano passado, dias depois de um estado de emergência ter sido decretado na região da cidade pela própria prefeitura, devido à estiagem que gerava gravíssimos prejuízos, principalmente na pecuária e na agricultura da região. Como é possível uma barbaridade dessas? Como é possível tamanha cara de pau? Como é possível, em uma situação de calamidade na cidade, ser firmado um contrato desse porte com esse cachê indecente, em uma cidade sem capacidade financeira e orçamentária para tais gastos, em detrimento da declarada situação de calamidade pública na cidade em questão?

A verba para investimento na cultura em um ano é quase quatro vezes menor do que o que seria pago ao Gustavo Lima por esse show. Como alguém teve coragem de assinar um contrato desses? Ou melhor, quem são as pessoas que lucrariam com tal aberração? Porque é isso que sempre acontece quando as prefeituras contratam shows de gente famosa ou não tão famosa. Imediatamente, os cachês dos artistas duplicam, triplicam de valor, os contratos são ainda mais superfaturados, e há agrados, comissões que são acertadas e distribuídas automaticamente. Então, vamos parar com essa hipocrisia. É assim que acontece em todas as prefeituras e com todos os artistas que você imagina.

Essa situação é mais um exemplo fedorento de como as prefeituras continuam gastando verbas absurdamente altas em shows de artistas famosos e, ao mesmo tempo, negligenciam criminosamente a população em suas necessidades básicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress