De tempos em tempos o papo reaparece nas redes sociais: Vanusa foi plagiada pelo Black Sabbath! Sim, não é gozação. Existe realmente a possibilidade de o guitarrista Tony Iommi ter utilizado o riff inicial de uma canção da cantora, “What to Do”, para compor a clássica “Sabbath Bloody Sabbath”. Se você ainda não ouviu as duas músicas, tire suas dúvidas abaixo:

 

O detalhe é que o álbum da cantora, Vanusa (1973), foi lançado quase cinco meses antes do lançamento oficial do disco do Black Sabbath na Inglaterra. Muita gente acha estranho que um internacionalmente famoso guitarrista já naquela época fosse conhecer uma então obscura cantora brasileira – “obscura” em sentido mundial, é claro -, mas o que pouca gente sabe é que, durante o processo de composição para o álbum Sabbath Bloody Sabbath, Iommi sofreu um bloqueio criativo causado pelo excesso de cocaína que o impediu de criar qualquer canção para a banda, como ele sempre havia feito até então.

Seu desespero atingiu um grau tão elevado que ele pediu para sua equipe técnica e amigos que lhe trouxessem discos de “outras culturas”, para que ele pudesse ter algum tipo de inspiração. E foi aí que certamente o álbum da Vanusa caiu nas mãos de Iommi. Ele não apenas deu uma “chupada” no riff – criado não se sabe por quem, já que no álbum da cantora não existem créditos de quem tocou nas gravações – como até botou no arranjo uma “parte lenta”, exatamente como há na canção original.

Vanusa foi bem gente fina quando soube da história e já declarou que não só não irá processar a banda inglesa, como também acredita que não rolou plágio e sim uma “coincidência”. E que já decidiu que vai incluir “What to Do” em seus novos shows assim que sua saúde permitir! Legal da parte dela, né?

Depois de tudo isso, aproveito o momento para dar um toque: Vanusa foi – e ainda é – uma tremenda cantora! Esqueça aquele constrangedor momento do “Hino Nacional”, em que ela deu vexame por conta de uns remédios malucos que andava tomando naquela época. O que você tem que saber é que ela tem uma discografia muito digna, principalmente no período compreendido entre o final da década de 60 e a primeira metade dos anos 70.

Coloquei abaixo alguns deles, começando pelo espetacular álbum de 1973, mais conhecido como “Vanusa 4”, justamente o que contém “What to Do” e uma das mais lindas canções da História da Música Brasileira, com maiúsculas mesmo: “Manhãs de Setembro”. Ouça todos eles com atenção e se surpreenda com a maravilhosa cantora que ela sempre foi. Não precisa me agradecer…